março 13 2019

O Galo Corococó

Em uma pequena aldeia, o Galo Corococó todos os dias despertava a população às quatro da manhã.

Eles levantavam sonolentos, cansados e reclamando por não poderem dormir até mais tarde, mas a cidade funcionava e era próspera.

Um belo dia Corococó entrou em depressão, passou a ter insônia e danou a acordar o povo às duas da madrugada, causando revolta e ódio em alguns. O prefeito da decadente aldeia vizinha, bobo nem nada ofereceu uma troca entre seu burro “sortudo” e o galo. Motivados pela ideia de uma vida de ventura sem esforços eles votaram e decidiram pela troca.

No dia seguinte todos dormiram até tarde e nos demais dias a mesma coisa, a vida passou a ser dormir e fazer festas, ninguém mais trabalhava num horário certo, não produziam direito e aos poucos foram ficando reféns dos moradores vizinhos que iam lá oferecer serviço.

Quando a população se deu conta, a cidade estava acabada. Um grupo decidiu ir buscar o galo, mas ele já não estava disposto a voltar, lá ele era bem tratado, amado, respeitado e valorizado como um rei.

Assim o grupo retornou e logo procurou por seu prefeito que estava de partida da aldeia. Na estação de trem lhe entregaram uma caixa de papelão com furinhos e quando ele abriu deu de cara com um galinho. Com o olhar enternecido o prefeito disse: óh, ele tem os olhos do pai!

Um ano se passou, o pequenino galo cresceu cercado de carinho e religiosamente cantava às quatro horas da manhã. A população aprendeu a acordar cedo, trabalhar, festejar, viver com alegria e a cidade voltou a prosperar.

Esse filme é uma animação. Foi dirigido por Pierre Greco, recebeu o prêmio Golden Butterfly for Best Animated Feature Film – International Competition e ele ensina a importância de se ter disciplina, organização e respeito para podermos aproveitar de um tudo e a mensagem mais importante que ficou pra mim foi que tudo depende de como vemos o galo e prefiro ver o meu como algo positivo em minha vida.

(Roberta Dias)

julho 2 2009

Sonhos…

Sonhos - Devaneio de Roberta Dias

Invadem minhas noites de sono sem pedir licença. Intrusos dos quais não tenho controle, causam sensações diversas e que ao acordar recordo ou não.

Quase sempre fora da realidade, mas “tão reais”, meus sonhos acontecem em lugares que conheço, mas que nunca estive antes, com pessoas estranhas ou conhecidas, que aparecem e desaparecem como num passe de mágica, assim também é a troca de cenários.

Todas às vezes que o sonho é bom e que acordo, tento dormir novamente para tentar continuar de onde parei, mas é impressionante como o que é bom dura pouco mesmo, até nos sonhos!

Já os pesadelos, ah, esses transformam breves segundos de sono em longas horas de martírio e desespero.

A dor, apesar de ser um sonho, é muito real e sinto no corpo as conseqüências. Mesmo depois de acordada fico com medo. Nos minutos seguintes sinto receio de fechar os olhos e dar continuidade ao sofrimento.Sonhos, talvez sejam flashs de tudo o que vi e vivi, de tudo aquilo que desejo ou não para mim, dos meus medos, não sei ao certo, também podem não ser nada disso.

(Roberta Dias)

julho 2 2009

Sentindo na própria pele – Mônica de Castro

Sentindo na propria pele

O livro que retrata os tempos difíceis da escravidão no Brasil. Negros capturados e escravizados em um pequeno povoado angolano por tribos rivais, tornando-se serviçais de seus senhores negros, objetos a serem vendidos ou trocados por um punhado de fumo e de cachaça com os brancos.

Assim começa a historia de Mudima, "folha do limoeiro". Aos 9 anos de idade fora arrancada de sua África amada, cruzando o oceano e trazida ao Rio de Janeiro, num porão fétido de um navio negreiro.

Mudima foi dada como presente de aniversário a pequena sinhazinha Aline, apenas um ano mais velha que ela e a partir daí passou a chamar-se Tonha, em homenagem à falecida cadelinha de sua sinhazinha, que morrera debaixo das patas de uma égua.

Com o passar do tempo, Aline tornara-se amiga de Tonha. Amigas inseparáveis, Aline, mesmo sem compreender sentia enorme carinho por Tonha, sendo capaz de dar sua vida para salvá-la.

Anos depois, em meio ao medo, ódio e inveja, as moças descobriram o "amor". Aline com o jovem Cirilo e Tonha com Inácio, um médico recém formado, branco e de lindos olhos azuis.

O sofrimento sempre nos leva a questionamentos, então destaquei um trecho do livro para reflexão:

"O coração guarda ressentimentos que sobrevivem por séculos, e como não conseguimos enxergar que somos nós mesmos que provocamos o mal de que somos vítimas, costumamos nos vingar de nossos semelhantes".

Esse livro é simplesmente lindo! Valeu cada sorriso ou lágrima derramada por mim.

Tonha, morreu aos 97 anos de idade, libertando-se assim do medo e das lágrimas, podendo então seguir a verdadeira vida de amor, luz e paz.

(Roberta Dias)