julho 7 2010

O seu poder…

“A luminosidade da alma se reflete através do sentimento. Conseguir expressar o sentimento da alma é refletir a lucidez divina. É fazer brilhar sua luz.

É importante discernir. É importante aprender a não bloquear essa expressão da energia superior que todos temos. Bloquear a essência é permitir que conceitos mundanos, sociais, não verdadeiros, programem nossas ações e sejam colocados entre a essência e a ação.

Agir obedecendo ao mundo, aos conceitos e regras feitos pelos homens, é comandar de forma mentirosa nosso destino, é materializar como realidade ilusões impossíveis, equivocadas, cujos resultados sempre serão inadequados e muito distantes de nossos desejos.

A sabedoria, a verdade, sempre será a soma do conhecimento através da peneira da experiência…”

(Silveira Sampaio)

abril 28 2010

Vivendo, errando e aprendendo…

Na vida estamos sempre nos comprometendo com alguma coisa, com alguém ou com nós mesmos.

Promessa é dívida! Mas quantas vezes nos deixamos levar? Escorregamos e falhamos na árdua tarefa de manter tudo o que prometemos?

Quando isso acontece é natural o sentimento de fracasso e é comum ouvir a voz íntima a sussurrar em nossos ouvidos o quanto somos indisciplinados e de certa forma até tolos, mas por que devemos nos condenar se errar é próprio dos seres humanos?

Errar significa arriscar, viver! Então feliz daquele que tem coragem de ousar, quebrar a cara e de aprender com seus erros.

julho 31 2009

Alerta – Divaldo Franco

Alerta

O livro fala sobre o estado de emergência que se vive na Terra devido à violência urbana, agressividade mental, moral e física, a volúpia dos prazeres exagerados, insatisfação, sentidos desgovernados, ambições desmedidas pelo poder, suicídio, aborto, fome e indiferença afetiva.

Este livro nos faz rever os conceitos, nos mostra a importância da meditação, dos pensamentos otimistas, de não assumir posições radicais diante das circunstâncias da vida, nem das pessoas e da programação de novos comportamentos.

Segundo Joanna de Ângelis, o amor próprio é mau conselheiro e a causa para diversos problemas que afligem as criaturas encarcera-se na vaidade, disfarça-se com desculpismos vis e acusações absurdas, causando animosidade e desânimo.

O amor próprio pode ser caracterizado como: vingativo, insensível, leviano, magoado, despeitado, exigente, caprichoso, insensato e ardiloso porque se oculta e disfarça para reaparecer sob outras formas.

Ele só realiza uma obra meritória quando as coisas acontecem da forma como deseja.

Esse tipo de "sentimento" adora autopromover-se, ser aplaudido, que aquiesçam suas vontades, mas cobra juros altos e está sempre armado contra tudo e todos que não satisfaçam seus caprichos.

Todos os temas deste livro são ótimos. Ao todo são 60 temas e garanto que algum deles vai parecer ter sido escrito sob medida para você que ainda não leu.

(Roberta Dias)

julho 20 2009

Giselle a amante do inquisidor – Mônica de Castro

Giselle a amante do inquisidor

O livro relata as crueldades cometidas na Espanha, no período da inquisição.

Esteban fora responsável pelas mais atrozes perseguições contra os considerados hereges, pois acreditava estar lutando em defesa, preservação da verdadeira fé Cristã e por julgar-se juiz da vontade divina. Qualquer um que não seguisse a ideologia católica da época estaria cometendo grave crime, a heresia.

A maioria dos supostos hereges eram pessoas muito ricas, cujos bens eram confiscados pela Santa Igreja e posteriormente igualmente divididos entre os “delatores” e o “clero”.

Giselle enriquecera nessas circunstâncias. Dona de uma beleza exótica e profundo conhecimento de magia tornara-se amante e cúmplice de Esteban ainda moça, após a morte de seu pai.

A jovem atraia facilmente o desejo e cobiça dos homens dançando em sua taberna. Seduzia os suspeitos indicados por Esteban e conseguia as informações necessárias para a instauração dos processos sobre os lençóis macios de sua cama.

Embora o cardeal representasse o Santo Ofício, mantinha seu caso amoroso, fazia vistas grossas para o envolvimento da amante com a magia e não se incomodava se ela fosse para cama com outros homens e até mulheres, desde que servissem aos seus propósitos. Orgulhava-se ao ver a cobiça dos outros na mulher que lhe pertencia.

Suspeitando da origem moura da noiva de dom Fernão, Giselle foi incumbida de investigá-lo.

Lucena, filha de dom Fernão, entregara-se ao noivo antes do casamento, segura de não ter feito nada de errado já que estavam com o casamento marcado.

Ramon, pelo acaso do destino deparou-se com o sogro na calada da noite em ato suspeito. Curioso para saber do que se tratava chegou à taberna “A Dama da noite” para observar. Lá Ramon conheceu e encantou-se por Giselle, cujas almas já se amavam de outras vidas, sem que nunca pudessem viver esse amor em sua plenitude, uma vez que ou eram ambos do sexo masculino ou ambos do sexo feminino e com isso a relação sexual era tida como proibida para os padrões da época, sendo obrigados a viver um amor platônico ou cheio de remorso, mas agora finalmente suas almas encontraram-se com sexos opostos e então viram-se livres para ter uma relação plena e sem pudores.

Devido à denúncia feita por Giselle, dom Fernão foi condenado, sofreu diversos tipos de torturas e morreu aos poucos trancado na “Virgem de Nuremberg”, uma espécie de sarcófago, cujo interior era repleto de lâminas que perfuravam partes não vitais do seu corpo, levando-o à morte lenta por hemorragia e infecção.

Dom Fernão desencarnou mergulhado no ódio. Sua filha também tomada pelo ódio aliou-se a Miguez, um padre que não suportava Giselle mesmo sem entender a razão de seu terrível sentimento.

Padre Miguez e Lucena seguiram firmes em seus planos de vingança com o auxílio do espírito amargo de dom Fernão, com o intuito de levar Giselle a julgamento.

Este livro começa pelo fim, causa febre interior e ensina que a prestação de contas dos atos cometidos é sempre inevitável. Excelente!

(Roberta Dias)