março 13 2019

O Galo Corococó

Em uma pequena aldeia, o Galo Corococó todos os dias despertava a população às quatro da manhã.

Eles levantavam sonolentos, cansados e reclamando por não poderem dormir até mais tarde, mas a cidade funcionava e era próspera.

Um belo dia Corococó entrou em depressão, passou a ter insônia e danou a acordar o povo às duas da madrugada, causando revolta e ódio em alguns. O prefeito da decadente aldeia vizinha, bobo nem nada ofereceu uma troca entre seu burro “sortudo” e o galo. Motivados pela ideia de uma vida de ventura sem esforços eles votaram e decidiram pela troca.

No dia seguinte todos dormiram até tarde e nos demais dias a mesma coisa, a vida passou a ser dormir e fazer festas, ninguém mais trabalhava num horário certo, não produziam direito e aos poucos foram ficando reféns dos moradores vizinhos que iam lá oferecer serviço.

Quando a população se deu conta, a cidade estava acabada. Um grupo decidiu ir buscar o galo, mas ele já não estava disposto a voltar, lá ele era bem tratado, amado, respeitado e valorizado como um rei.

Assim o grupo retornou e logo procurou por seu prefeito que estava de partida da aldeia. Na estação de trem lhe entregaram uma caixa de papelão com furinhos e quando ele abriu deu de cara com um galinho. Com o olhar enternecido o prefeito disse: óh, ele tem os olhos do pai!

Um ano se passou, o pequenino galo cresceu cercado de carinho e religiosamente cantava às quatro horas da manhã. A população aprendeu a acordar cedo, trabalhar, festejar, viver com alegria e a cidade voltou a prosperar.

Esse filme é uma animação. Foi dirigido por Pierre Greco, recebeu o prêmio Golden Butterfly for Best Animated Feature Film – International Competition e ele ensina a importância de se ter disciplina, organização e respeito para podermos aproveitar de um tudo e a mensagem mais importante que ficou pra mim foi que tudo depende de como vemos o galo e prefiro ver o meu como algo positivo em minha vida.

(Roberta Dias)

novembro 24 2010

Amante Desperto – Irmandade da Adaga Negra – J. R. Ward

Tudo começou com "Amante Sombrio", "Amante Eterno" e agora cheguei ao terceiro livro da saga 'Irmandade da Adaga Negra', que revela com riqueza de detalhes a história de Zsadist.

Considerado o mais frio dos guerreiros, Zsadist fora separado de seu irmão gêmeo Phury ainda com meses de vida.

Vendido como um objeto fora transformado em um escravo de sangue, onde sua cruel 'Ama' se alimentava dele e desfrutava de seu sexo, exibindo-se aos machos que a observavam em delírio sobre Zsadist, muitas vezes o dividindo com eles, mas sua maior frustração é que nunca conseguira uma ereção espontânea de seu escravo, sempre necessitava de 'bálsamos' e nunca o fizera gozar.

Quando sua 'Ama' encontrou um companheiro, Zsadist teve a esperança de ser liberado daquela função degradante e humilhante, considerando voltar aos serviços da cozinha como algo bom, porém descobriu que ela não o libertaria. Como libertar um macho tão masculino, viril e bem dotado? Ele já havia passado por tantas humilhações, que não se importou de enfrentar mais uma ao suplicar a sua 'Ama' que o liberasse. Com tristeza nos olhos ela lastimou nunca tê-lo visto excitado por ela, afinal ela era tão bela, por que ele não se excitava? Foi quando Zsadist despejou toda a ojeriza que sentia e ela o açoitou violentamente, dilacerando seu rosto e corpo com enormes cicatrizes.

Enquanto Zsadist vivia em meio aquele horror, seu irmão gêmeo o procurava. Phury ouviu falar de festas dadas por uma vampira e de como gostava de se exibir em cima de seu escravo de sexo e sangue.

Phury deixara a barba crescer para disfarçar sua semelhança com seu irmão gêmeo e assim conseguiu começar a freqüentar as festas da tal vampira, até que um dia ela finalmente o convidou para ir ao seu quarto e de lá seguiu com ele para o quarto secreto onde mantinha seu escravo.

Ele a observava e quando Zsadist virou o rosto em sua direção, Phury apesar das cicatrizes reconheceu o irmão, em desespero lutou com todos os guardas, libertou seu irmão, fugiram e posteriormente ingressaram na Irmandade da Adaga Negra, mas Zsadist transformara-se em um ser frio, agressivo, rebelde e tinha verdadeira aversão que o tocassem e mais ainda as fêmeas, que o faziam lembrar do horror com sua 'Ama'.

No dia em que Bella levou Mary e John até a Irmandade, ela se encantou com a beleza de Phury, mas foi por Zsadist que seu coração acelerou. Embora aquele ser a deixasse apavorada, ela o seguiu discretamente até seu quarto com curiosidade pela fama do guerreiro e em busca de emoção. Ao deparar-se com ela Zsadist se afastou e a expulsou, mas farejou o medo que causara nela, justamente a única coisa capaz de excitá-lo por uma fêmea. Como Bella recusava-se a sair Zsadist decidiu mostrar-lhe um pouco de seu temperamento, a virou de costas para que ela não pudesse tocá-lo e seguiu com o jogo de sedução, até que percebeu a umidade entre as pernas de Bella e num rápido movimento correu até banheiro e vomitou. Como assim uma fêmea ficara molhada por ele? Ainda enjoado, ele a expulsou de seu quarto e Bella sentindo-se rejeitada foi embora decidida a seguir com sua vida.

Alguns dias depois, Bella notou algo de estranho na casa de Mary e decidiu ir até lá para conferir. Ao retornar para sua casa cruzou com um redutor e foi capturada por ele.

O seqüestro de Bella chegou ao conhecimento da Irmandade, já havia se passado dias e nenhuma pista dela. Zsadist estremecia só de imaginar o que os redutores poderiam fazer a ela e estava decidido a salvá-la, até que finalmente tiveram uma pista e ele partiu para o local.

Ao encontrá-la, Zsadist deixou seus irmãos cuidarem dos redutores e saiu com Bella o mais rápido possível, levando-a para a mansão da Irmandade. Chegando lá colocou Bella em sua cama, não queria que nenhum macho a visse ou tocasse, mas por ordem do Rei permitiu que um médico cuidasse dela.

Bella permaneceu na Irmandade enquanto se recuperava e para sua proteção. Sedenta de amor por Zsadist, se entristecia todas as vezes que ele a rejeitava, desconhecia seu passado e somente quando descobriu compreendeu o sofrimento de seu amado e carinhosamente foi se aproximando dele. Embora Zsadist já se sentisse um macho vinculado a Bella, não conseguia fazer amor com ela porque não se sentia digno dela, sentia-se sujo.

Os dias se passaram, Bella já estava recuperada, quando começou a se sentir como se estivesse gripando. Ondas de energia começaram a percorrer todos os cômodos da Irmandade e todos os machos presentes respondiam excitados e com seus membros eretos.

Os machos que tinham companheira trataram de se atracar a elas e levá-las para seus aposentos, Vishous mandou Buthc se mandar da mansão o mais rápido possível, pois Bella havia entrado no cio e eles como machos e guerreiros, responderiam as ondas que viriam dela, podendo inclusive lutar entre si para satisfazê-la e alimentá-la, embora soubessem que Zsadist não aceitaria isso e que ele é quem deveria cuidar do cio de Bella.

Desesperado com a idéia de fazer sexo, Zsadist foi ao seu quarto para aplicar morfina em Bella, a fim de aliviar seu sofrimento, mas a jovem disse que não queria a mofina e sim a ele. Penalizado com seu sofrimento, atendeu ao chamado de sua nalla (amada), penetrando-a e marcando-a durante todo o seu cio, enquanto os demais machos sem companheira se entorpeciam da forma que podiam para agüentar até que tudo aquilo passasse.

Após horas Zsadist já não conseguia se mexer, quando Bella mais uma vez se contorceu. Ele não tinha forças para se colocar em cima dela, então decidido a posicionou em cima dele para saciá-la. Bella exitou porque sabia do que ele passara enquanto escravo, mas ele sinalizou que sim, então Bella continuou e Zsadist se surpreendeu ao perceber que gostava de tê-la em cima de si. Aquele foi o último momento do primeiro cio de Bella.

Deitado ao seu lado, exausto, ele mais uma vez se surpreendeu quando o roçar do corpo dela o deixou excitado e pela primeira vez conseguiu tocar-se, mesmo que com dificuldade, mas sua nalla pediu que ele continuasse, então Zsadist relaxou e deixou seu prazer jorrar abundantemente.

Cuidadosamente Zsadist retirou os lençóis de sua cama, se limpou, e dirigiu-se até a cozinha para preparar algum alimento para sua nalla. Apesar de tudo o que vivera com ela, ainda não se sentia digno de tê-la e a decepcionou tanto que ela se foi.

Zsadist desejava vingar Bella matando o redutor que a torturou e assassinou Wellsie, nalla prenhe do irmão Tohr, bem como a jovem Sarelle. A Irmandade já havia sofrido muitas perdas e Zsadist pediu permissão ao Rei para ser o vingador e fez seu irmão Phury jurar diante do Rei que não tentaria protegê-lo.

Phury foi silenciosamente aos seus aposentos, raspou seus lindos cabelos e se cortou no rosto para que ficasse com uma cicatriz igual a do irmão. Partiu para o local marcado com o redutor, que logo o capturou. Zsadist sabia que Bella havia alimentado seu irmão e apesar do ciúme, desesperado pediu que ela o localizasse. Assim Bella fez. No momento em que Zsadist encontrou o irmão quase morto, torturado, partiu para a luta e fora atingido. No instante em que o redutor ia acabar com sua vida, Bella materializou-se no local e chamou por David (o redutor), que se voltou para ela, que o aguardava de braços abertos. Ao envolvê-lo Bella ouviu David dizer 'Eu amo você' e nesse momento Bella apertou o gatilho.

Bella ajudou Zsadist e Phury. Apesar dos ferimentos ambos sobreviveram e Bella partiu com sua família.

Zsadist a partir daí começou a lutar contra si mesmo, se disponibilizando para as tarefas dentro da Irmandade, aprendendo a ler e foi justamente durante uma de suas aulas com Mary, nalla do irmão Rhage, que Bella o reencontrou, sendo que agora nutrido e forte.

Após ficarem a sós, eles conversaram, Zsadist desajeitado escreveu algo numa folha de papel e entregou nas mãos de Bella. Envergonhado, disse que talvez não tenha ficado legível e que tentaria escrever de novo, quando Bella aos prantos disse que havia entendido, repetindo as palavras escritas olhando em seus olhos AMO VOCÊ e se atirou em seus braços, repetindo aquelas palavras a pedido de seu amado, e em seu ouvido disse: carrego no ventre um filho seu...

O livro é ótimo, principalmente para quem não se reprime e encara o sexo como algo bom, agradável e não como um pecado. O beijo, por exemplo, dependendo de como é dado é o mesmo que fazer sexo ou amor como muita gente prefere dizer.

Vejam a profundidade: “Quando a língua de Bella o acariciou, ele entreabriu os lábios, e sua própria língua encontrou a dela, hábil e quente. Um giro lento teve início... e, então, estava no interior da boca de Bella, pressionando, procurando...”

(Roberta Dias)