outubro 17 2013

Pesquisa sobre o Amor – J. Herculano Pires – Parte 1

 

Este livro mostra o resultado de experiências realizadas para descobrir a força e a necessidade do amor, nos levando a reflexão e ao discernimento entre o que é o amor e o que é o sexo, ensinando-nos a amar.

É fato que a solidão do ser leva a busca do outro. O problema consiste nos equívocos que ocorrem no decorrer da mesma, atraindo para aquele que procura sofrimentos terríveis, já que os homens não podem avaliar o amor, eles apenas aviltam a si mesmos.

Vale lembrar que as maiores tragédias surgem da incompreensão, do delírio das paixões, pois o ser imagina no real-irreal, caindo no onjeto que somente a angústia, o desespero e a dor podem quebrar esta barreira e libertá-lo de si mesmo.

Cair na rotina ou acomodar-se leva-nos a estagnação e a diminuição da flexibilidade resulta na estagnação completa.

Se o homem é o ser de si mesmo, a alma, a personalidade, e o eu oculto que só revela no processo de relação, não serão quinze dias ou três meses tempo suficiente para fazer enxergar as deformações da realidade.

A natureza dramática do homem decorre das contradições internas de sua posição existencial, logo é comum a confusão da alma com o corpo, que transforma o amor em algo amesquinhado e aviltado que se vinga do homem nivelando-o e rebaixando-o aos animais, a diferença é que os animais pelo menos possuem a desculpa da inconsciência, mas e os homens, quais desculpas usam?

O amor se desloca do romantismo para o racionalismo, pois somente a razão pode captar a natureza real do sentimento e descobrir seu verdadeiro sentido.

A expressão italiana “fazer amor” propagou-se no mundo contaminando as novas gerações, expressando o amor de forma baixa, repugnante, rebaixando-o as sensações carnais.

Uma pesquisa feita no Rio de Janeiro revelou que a maioria dos jovens universitários não faz nenhuma distinção entre o amor e o sexo, por isso a pesquisa sobre o amor necessitou ser feita com pessoas adultas, amadurecidas na vivência do amor.

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam a paixão não é excesso de amor, mas sim um desequilíbrio. O amor é uma força criadora e não destruidora. Ele cria, ampara, perdoa, não escraviza, humilha, maltrata ou mata o outro em vida tirando-lhe o direito de escolha e de viver.

Quanto a isso o que se pode fazer é educar os sentimentos, orientar a afetividade canalizando as energias para que se façam homens e não lobisomens. Quem nunca se deparou na vida com pessoas que parecem boas, mas que trazem em suas entranhas os instintos de um lobo? A popular expressão “lobo em pele de cordeiro” sintetiza isso com perfeição.

Continuaçao...

(Roberta Dias)

setembro 6 2011

A Manhã Perfeita – Gordon Banks

Acordei e olhei ao redor. O despertador ainda não tinha tocado; estava com meia hora de antecedência naquele dia. Eu queria chegar cedo ao trabalho para impressionar o chefe, afinal era o novo gerente de vendas da empresa. Batalhei durante meses com uma concorrência muito pesada pela promoção, mas havia uma semana o patrão finalmente reconhecera meus esforços e agora eu teria uma sala espaçosa no nono andar.

Levantei e abri a janela com entusiasmo. Fazia um dia lindo lá fora, uma manhã perfeita. Fiz a barba com calma, depois tomei um banho quente de dez minutos; o vapor encheu o banheiro e aquilo me acalmou. Fui para a cozinha e abri a geladeira; os restos da pizza da noite anterior estavam lá, atum e portuguesa, e pareciam convidativos. Resolvi comê-los e aí juntei ao menu mais duas bananas e um iogurte de mel. Terminei o café com um copo de suco de laranja que eu tinha preparado minutos antes de me sentar à mesa.

Coloquei minha camisa amarelo-canário, o dia pedia. Vesti o terno azul-escuro que combinava com a camisa e a gravata vermelha que combinava com o terno. Ia também estrear meus sapatos pretos novos. Um gerente nacional de vendas de aparência impecável. Prendi um guardanapo no colarinho enquanto escovava os dentes e, depois de jogá-lo fora, penteei o cabelo.

— Você está ótimo! — sorri e dei uma piscadela espirituosa para o cara do espelho.

Saí de casa e o dia estava maravilhoso, um céu azul e o sol brilhando, mas sem queimar a gente. Uma manhã perfeita. Era uma caminhada de cinco minutos até o metrô. Inspirei aquele ar fresco de agosto, verifiquei se não estava esquecendo nada, chaves, carteira, maleta, e então parti.

Eu era fã daquele tempo agradável. Logo antes de a primavera realmente começar, a mulherada geralmente usava pouca roupa na rua e eu estava estranhamente propício a passar cantadas naquela manhã. Estava me sentindo ótimo, tudo na minha vida ia bem naquele ano, saúde, família, amigos. A única coisa da qual eu sentia falta era uma companheira para compartilhar minha vida maravilhosa. Mas se dependesse de mim, esse problema logo estaria resolvido.

Entrei na estação do metrô e evitei as escadas rolantes. Sempre achei coisa de preguiçoso. Segui descendo pela escada fixa comum. Paralelo a mim estava a escada rolante que subia e uma pequena multidão de trabalhadores apressados.

Foi então que vi subindo pelas escadas rolantes, espremida no meio da multidão, a mulher mais linda na qual já colocara os olhos. Uma morena lindíssima de olhos cor de mel; usava um vestidinho social cor de grafite e uma bolsa que combinava com os sapatos pretos. Não consegui tirar os olhos dela e minha alegria foi indescritível quando percebi que ela também estava me encarando esfomeadamente, com um sorrisinho discreto no canto da boca. Eu tinha me barbeado e estava com meu terno azul-fatal. Estou irresistível, pensei.
Quando finalmente passamos um do lado do outro, arrisquei um sonoro oi que ela respondeu, muito simpática. Ainda descendo as escadas, virei a cabeça para continuar a vê-la e dizer mais alguma coisa. Foi quando ouvi um estalo logo abaixo de mim. Uma dor aguda e urgente me subiu pela perna e foi aí que me dei conta do meu tornozelo quebrado.

Tropecei e comecei a rolar pelas escadas. Devo ter ouvido mais uns dois estalos que indicavam que mais alguma coisa tinha se partido dentro de mim. A escada era longa e tive muito tempo para me machucar. Dava para sentir o peso do sangue escorrendo no interior do meu peito, de uma forma que ele obviamente não deveria estar. Nos últimos degraus da escada, meu cotovelo bateu no chão e virou meu corpo de frente ainda rolando. Dei uma cambalhota desajeitada que me lançou um metro no ar; aterrissei em cima da minha cabeça. Tentei gritar quando senti meu pescoço quebrando, mas meu corpo já não respondia.

Caí no átrio estirado, paralisado. A morena estava no alto da escada olhando horrorizada, algumas pessoas se aproximaram de mim. Ficou frio de repente, eu não sentia meu corpo direito, era uma sensação estranha. Meus olhos estavam abertos, mas não conseguia movê-los.

Não havia mais dor; percebi que não estava respirando e me desesperei ainda mais quando não houve nenhum reflexo do corpo pedindo por ar. Logo tudo começou a escurecer e senti que era o fim. Meu corpo estava se desligando, eu ia morrer.

Eu morri naquela manhã perfeita.

Uau! Que conto é esse? O homem se esforçou tanto para atingir seu objetivo e nem chegou a ocupar sua tão espaçosa sala no nono andar. Parece trágico e triste não é mesmo? Mas acontece! Coitado, morreu sem sua desejada e idealizada companheira para sua vida dita como tão perfeita.

(Roberta Dias)

abril 28 2010

Vivendo, errando e aprendendo…

Na vida estamos sempre nos comprometendo com alguma coisa, com alguém ou com nós mesmos.

Promessa é dívida! Mas quantas vezes nos deixamos levar? Escorregamos e falhamos na árdua tarefa de manter tudo o que prometemos?

Quando isso acontece é natural o sentimento de fracasso e é comum ouvir a voz íntima a sussurrar em nossos ouvidos o quanto somos indisciplinados e de certa forma até tolos, mas por que devemos nos condenar se errar é próprio dos seres humanos?

Errar significa arriscar, viver! Então feliz daquele que tem coragem de ousar, quebrar a cara e de aprender com seus erros.

julho 3 2009

Divã – Martha Medeiros

Diva - Martha Medeiros

O livro conta à história de uma mulher com seus quarenta e poucos anos, casada e com três filhos.

Mercedes decide fazer análise e durante as freqüentes sessões com Lopes, ela narra toda a sua
vida desde a infância.

Seguiu todas as fases, brincou de boneca, teve medo do escuro, ficou nervosa com o seu primeiro beijo, bateu a cabeça no teto do carro enquanto trocava uns "amassos", mas suas idéias estão longe de ser cor-de-rosa e isso a difere das demais mulheres.

Forte, prática, decidida, fogosa, engraçada, teimosa e autoritária, Mercedes não considera-se vítima de ninguém, sabe que é várias mulheres em uma só e precisa se autoconhecer.

Na verdade, Mercedes pode ser comparada a um vulcão adormecido, que está pronto para explodir a qualquer momento e essa explosão surge da necessidade de quebrar seus próprios tabus, cometer loucuras, porque como ela mesma disse: "Se ser feliz para sempre é aceitar com resignação católica o pão nosso de cada dia e sentir-se imune a todas as tentações, então é deste paraíso que quero fugir".

Com o decorrer das sessões de análise, Mercedes descobre-se falível. Segundo ela, a sua cabeça é como um guarda que não permite que ela estacione em lugar algum. Ela fica dando voltas em seu cérebro e quando encontra uma vaga para ocupar, o guarda diz: circulando, circulando.

Dei boas risadas lendo esse livro e separei mais alguns trechos interessantes:

"Eu não tenho medo de perder o senso. Eu tenho medo é desta eterna vigilância interior, tenho medo do que me impede de falhar".

"Não me sinto disputando ninguém, não me sinto insegura, confio mais na paz que ele me dá doque numa imaginação que só quer me infernizar".

"Suporto tudo nessa vida, menos as fases transitórias, aquelas onde já abandonamos o lugar em que estávamos mas ainda não chegamos onde queremos".

"Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos".

"A liberdade é atraente quando existe como promessa, mas enlouquece quando se cumpre".

"Não gosto de nada que é raso, de água pela canela. Ou mergulho até encontrar o reino de Atlântida, ou fico à margem, espiando de fora".

"Não gosto da vida em banho-maria, gosto de fogo, pimenta, alho, ervas..."

"Sabemos quem somos e o que sentimos, mas não sabemos até quando".

É isso, Mercedes mergulhou fundo em si mesma, respondeu sim, não, e agüentou as conseqüências.

(Roberta Dias)