março 13 2019

O Galo Corococó

Em uma pequena aldeia, o Galo Corococó todos os dias despertava a população às quatro da manhã.

Eles levantavam sonolentos, cansados e reclamando por não poderem dormir até mais tarde, mas a cidade funcionava e era próspera.

Um belo dia Corococó entrou em depressão, passou a ter insônia e danou a acordar o povo às duas da madrugada, causando revolta e ódio em alguns. O prefeito da decadente aldeia vizinha, bobo nem nada ofereceu uma troca entre seu burro “sortudo” e o galo. Motivados pela ideia de uma vida de ventura sem esforços eles votaram e decidiram pela troca.

No dia seguinte todos dormiram até tarde e nos demais dias a mesma coisa, a vida passou a ser dormir e fazer festas, ninguém mais trabalhava num horário certo, não produziam direito e aos poucos foram ficando reféns dos moradores vizinhos que iam lá oferecer serviço.

Quando a população se deu conta, a cidade estava acabada. Um grupo decidiu ir buscar o galo, mas ele já não estava disposto a voltar, lá ele era bem tratado, amado, respeitado e valorizado como um rei.

Assim o grupo retornou e logo procurou por seu prefeito que estava de partida da aldeia. Na estação de trem lhe entregaram uma caixa de papelão com furinhos e quando ele abriu deu de cara com um galinho. Com o olhar enternecido o prefeito disse: óh, ele tem os olhos do pai!

Um ano se passou, o pequenino galo cresceu cercado de carinho e religiosamente cantava às quatro horas da manhã. A população aprendeu a acordar cedo, trabalhar, festejar, viver com alegria e a cidade voltou a prosperar.

Esse filme é uma animação. Foi dirigido por Pierre Greco, recebeu o prêmio Golden Butterfly for Best Animated Feature Film – International Competition e ele ensina a importância de se ter disciplina, organização e respeito para podermos aproveitar de um tudo e a mensagem mais importante que ficou pra mim foi que tudo depende de como vemos o galo e prefiro ver o meu como algo positivo em minha vida.

(Roberta Dias)

julho 9 2009

Naema a Bruxa (Lenda de feitiçaria do século XV) – Wera Krijanowsky

Naema a Bruxa - Lenda de feitiçaria do século XV

O romance Naema a Bruxa, de , conta à história de amor entre Leonor e Walter.

Eles viviam numa cidadezinha de Freiburg, em Breisgau, entre a Floresta Negra e o Reno, na Alemanha.

Nessa época, a população sofria com a loucura de destruição, o medo da magia, dos sortilégios e flutuava uma nuvem negra no ar.

Pessoas eram acusadas de bruxaria, penavam com “O martelo das feiticeiras”, terrível manual utilizado pelos juízes, publicado pelo dominicano Sprenger, a fim de auxiliar a desvendar as artimanhas do demônio.

Walter, nobre fidalgo, apaixonara-se por Leonor, uma bela jovem de origem humilde e bordadeira de mão cheia.

Apesar dos obstáculos e da oposição de sua mãe, Walter pediu a mão de Leonor em casamento, mas não imaginara que seu gesto condenara a amada e toda a sua família à morte.

Denunciados por bruxaria, Leonor e sua família foram julgados e condenados à fogueira.Leonor e sua tia Brígida foram submetidas à tortura porque ousaram negar o crime. Seu pai enforcara-se numa das celas da prisão para fugir da fogueira e sua tia não resistira aos ferimentos.

Invocado por uma velha negra de uma das celas, surge mestre Leonardo, que imediatamente colocou os olhos em Leonor e fez-lhe uma proposta, mas para aceitá-la, a jovem teria que abandonar o passado, renegar a Santa Igreja e só assim se livraria da fogueira. Apesar de aterrorizada, ela aceitou as condições do pacto e desapareceu misteriosamente.

Walter desesperou-se com a notícia da morte de sua amada. Tempos depois apesar de todo o seu sofrimento e amor sem fim, finalmente cedeu aos apelos de sua mãe e aceitou desposar Filipina mesmo sem amá-la.

No dia de seu casamento, Walter recebeu misteriosamente Naema de presente, uma estátua de cera com as belas feições de Leonor e seus lindos cabelos dourados. Ele passou a venerar Naema, cuja semelhança com sua amada aflorava ainda mais o amor que jamais deixara de sentir e entregara-se aos encantos de Naema, que todas as noites o enfeitiçava e entorpecia.

Levado pela tentação de permanecer ao lado de Leonor, caiu nas garras de mestre Leonardo.

Walter conseguiu ser resgatado, mas para realmente libertar-se teria que travar uma verdadeira batalha entre o bem e o mal.

Ao reconciliar-se com Cristo tornara-se frei Miguel e dedicara-se aos necessitados e a luta para resgatar sua amada.

De fato a história deste livro é pesada, mas passa um ensinamento e um sentido moral do que conduz à perdição e do que leva a salvação.

Excelente esse livro!

(Roberta Dias)