abril 22 2018

Entre a Terra e o Céu – Pelo Espírito André Luiz – Francisco Cândido Xavier

Entre a Terra e o Céu

Entre a Terra e o Céu é um livro cativante que narra um romance cujo os personagens se encontram, se afastam e se reencontram para o ajuste de contas, perdão, amor e progresso moral de cada um de acordo com as Leis e misericórdia divina.

Em torno da prece todo desejo é manancial de poder. Senhores das próprias criações e escravos delas, o espírito pede, obtém e paga por todas as aquisições.

No cenário terrestre a conduta de um indivíduo pode gerar circunstâncias em seu benefício ou desfavor, atenuar ou agravar suas faltas, pois a forma do pensamento é o que dá feição ao destino. Toda e qualquer obsessão penetra, tortura, causa inquietação e desequilíbrio a mente e ao espírito e, nas sendas de provas, cada um é responsável pelas ideias que nasçam de si.

Aquele que fica parado em lembranças desagradáveis, que não perdoa ao próximo e nem a si mesmo, afasta todos a sua volta derramando o amargor das queixas e censuras de uma permanente irritação rumo a eterna solidão.

Devedores um dos outros, laços mil unem corações e o amor é a forma divina que alimenta, enquanto o trabalho para o bem é o maior patrimônio de um filho da eternidade, que no esquecimento temporário recebe no coração o adversário de ontem para o reajuste e regeneração, já que em todos os lugares e tempos se vive as consequências dos próprios atos. Não vale fugir as responsabilidades. O tempo é inflexível e o trabalho que nos compete não será transferido a ninguém.

A cultura intelectual não é a base para a felicidade, mas ela auxilia no engrandecimento da alma, pois quem não sabe ler não sabe ver como se deve, portanto, não basta ter o instinto, o conhecimento proporciona maior responsabilidade e renovação.

O orgulho, a vaidade, a tirania, o egoísmo, a preguiça e a crueldade são vícios da mente que muito podem ferir, mas um dia há de se descobrir que a cura para todos esses males reside no próprio homem.

(Roberta Dias)

julho 11 2010

Sussurro – Becca Fitzpatrick

Os Anjos são seres espirituais que supomos habitarem o céu. Mas e quando um Anjo se deixa levar pelo desejo de ser um humano?

Segundo — 2 Pedro 2:4 “… Deus não perdoou aos Anjos que pecaram, mas os lançou ao inferno e os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo…”

Nora Grey é uma bela moça, mora com sua mãe em uma antiga casa de fazenda do século XVIII, cheia de correntes de ar e de neblina, afastada do centro de Coldwater, sua casa é a única residência em Hawthorne Lane.

Após o assassinato de seu pai, a jovem passou a sentir como se estivesse sendo observada e seguida. Ela passava a maior parte do tempo em companhia de Dorothea, empregada da casa, e de Vee, sua melhor amiga, já que sua mãe freqüentemente se ausentava por conta de seu trabalho.

Nora e Vee, além de amigas, eram responsáveis por uma coluna no eZine, sentavam juntas durante as aulas e costumavam trabalhar em parceria, até que o McConaughy, técnico do time da escola e professor de biologia, decidiu fazer uma mudança em todas as duplas.

Após a troca, McConaughy seguiu com a aula e a tarefa dos alunos era brincar de detetive. Portanto Nora e Patch deveriam descobrir o máximo que pudessem um do outro.

Curiosamente, Patch sabia muito sobre Nora, o que a deixou assustada e incomodada. A aula chegou ao fim e ela ainda não sabia quase nada sobre ele. Irritada e com receio de ficar sem nota, Nora foi falar com Patch, mas o rapaz apenas pegou sua mão e escreveu o número de seu telefone com uma caneta vermelha.

Nora, sentia que precisava se manter distante dele, mas toda vez que olhava para aquele moreno, de lindos olhos negros, que tudo absorviam e nada devolviam, de músculos longos e esguios nos braços, ombros largos, com um sorriso meio debochado e sedutor, adorava o que via. A atração era mútua entre eles e o clima de romance logo se estabeleceu.

À medida que o tempo passava, coisas estranhas aconteciam. Nora não sabia se os acontecimentos eram reais ou frutos de sua imaginação e estava cada vez mais apavorada. Em várias ocasiões perguntou a Patch sobre seus mistérios, porém o belo rapaz apenas dizia que ela ainda não estava pronta para saber a verdade, mas aos poucos ia lhe dando valiosas dicas.

Certa noite, ela teve a oportunidade de vê-lo sem camisa e em suas costas havia uma enorme cicatriz escura, grossa e em forma de “V” ao contrário. Lembrou do globo de vidro, das pinturas, das histórias sobre o Arcanjo caído e realizou algumas pesquisas no Google para entender melhor sobre o assunto.

Enquanto isso Nora continuava sendo seguida e vigiada nas ruas e em sua casa. Numa das tentativas de descobrir de quem se tratava, Vee acabou sendo atacada e ferida por ter sido confundida com a amiga. Posteriormente Nora negociou informações com uma mendiga de rua, dando-lhe seu casaco e gorro de cabeça. Ao se afastar da mulher ouviu alguns tiros, e quando se aproximou, viu que a mendiga havia sido assassinada.

Desesperada, Nora encontrou um orelhão e ligou para Patch. Assim que ele chegou, entraram no carro e seguiram viagem, mas não demorou muito até que o carro enguiçasse. Uma forte tempestade se aproximava, então se dirigiram para o lugar mais próximo onde poderiam se abrigar.

Chegaram ao motel completamente encharcados. O lugar estava às escuras por conta da tempestade e o quarto contava apenas com a pouca iluminação de duas velas. Nora tomou um banho e sem roupas secas vestiu a camisa menos ensopada de Patch, e ele, ficou apenas de calça, deixando seu torço nu e musculoso a mostra.

Eles se abraçaram e no instante em que se entrelaçaram os dedos de Nora tocaram sua cicatriz. O jovem ficou rijo, tenso, mas não se afastou. Imediatamente Nora entrou numa espécie de transe onde via e ouvia, mas sua presença não era notada. Descobriu que Patch era realmente um Anjo caído, cujas asas foram cortadas, seus poderes retirados e que seu objetivo era matá-la. Nesse exato momento, seus dedos se afastaram da cicatriz e o elo foi desfeito. Triste e com medo, Nora quis saber por que ele desejava acabar com sua vida e Patch revelou sua história.

Quando Anjo se apaixonara por uma humana e foi tomado imediatamente pelo desejo de possuí-la. Estava enlouquecido. Nada sabia sobre ela, mas faria qualquer coisa para poder se aproximar. Durante um tempo observou-a e pôs na cabeça que se descesse a Terra e possuísse o corpo de um humano, seria expulso do céu e se tornaria humano.

Acontece que Patch nada sabia sobre o Cheshvan, desceu em uma noite de agosto e ao retornar para o céu foi detido por uma hoste de Anjos vingadores que arrancaram suas asas e o jogaram para fora do céu. Naquele instante viu que algo não estava certo. Perdeu todos os seus poderes, se tornara uma criatura fraca, patética, não era humano, era apenas um decaído.

Em novembro de 1565, no Vale do Loire, na França, já ciente sobre o Cheshvan, obteve à força o juramento de Chauncey (filho de um Anjo caído com uma humana, pertencente à raça bíblica nefilim) prometendo serví-lo. A partir daí no início do mês hebreu do Cheshvan, durante as duas semanas entre a lua nova e a lua cheia, Patch poderia possuir e assumir o controle do corpo de Chauncey, que humilhado jurou vingança.

Patch até então acreditava ter passado por tudo aquilo por nada e durante um tempo se odiou por isso, mas não desistiu de se tornar humano, viu em Nora o meio de atingir seu objetivo. Somente quando se apaixonou por ela, se deu conta que se não tivesse caído não a teria conhecido.

Só que o mistério ainda não foi completamente esclarecido. Vee caíra nas garras de Elliot e Jules, e se Nora não fosse ao encontro deles sua amiga seria assassinada. Juntos, Patch e Nora partiram rumo ao desconhecido…

Caramba! Adorei o livro! No decorrer da história suspeitei de vários personagens e somente no final a verdadeira identidade do vilão foi revelada, para minha surpresa.

setembro 5 2009

A Dama Azul – Javier Sierra

A Dama Azul

O livro foi escrito com base em pesquisas e relata a história da irmã Maria de Jesus de Ágrada e do seu dom de bilocação. Também fala sobre o real projeto da “cronovisão”, realizado por militares e religiosos do vaticano.

A cronovisão “tratava-se” de experimentos para “ver” e “fotografar” o passado.

O fenômeno da bilocação fazia com que a irmã Maria de Jesus de Ágrada entrasse em uma espécie de transe, de forma que seu corpo físico permanecia no convento, situado na Espanha e aparecia ao mesmo tempo no Novo México para pregar aos índios sobre a chegada de um Deus único.

De acordo com a lenda, graças a essas “aparições” os próprios índios dirigiam-se aos religiosos pacificamente, possibilitando assim a conversão em grande escala de tribos indígenas do Novo México, no período de 1629.

Segundo o autor, os personagens históricos mais importantes dessa obra são: Maria de Jesus de Ágrada, Carlos Albert, Giuseppe Baldi, Frei Alonso de Benavides, Felipe IV – Rei da Espanha, Francisco Manso y Züñiga, Sebastián Margila, Robert Monroe, Frei Esteban de Perea, Frei Francisco de Porras, Frei Juan de Salas, Frei Andrés de la Torre e por fim o “Memorial de Benavides”.

Os protagonistas citados existiram de fato, bem como o Memorial de Benavides, portanto vale a pena saber um pouco mais a respeito.

É preciso ter muita atenção na hora da leitura e boa memória, uma vez que a trajetória dos personagens vai sendo contada de forma quebrada, ou seja, às vezes passa um, dois ou mais capítulos para ter continuidade.

Sugiro aos que esquecem com facilidade adotar algum método para lembrar dos fatos importantes lidos anteriormente.

Muito interessante!!!

(Roberta Dias)