março 13 2019

O Galo Corococó

Em uma pequena aldeia, o Galo Corococó todos os dias despertava a população às quatro da manhã.

Eles levantavam sonolentos, cansados e reclamando por não poderem dormir até mais tarde, mas a cidade funcionava e era próspera.

Um belo dia Corococó entrou em depressão, passou a ter insônia e danou a acordar o povo às duas da madrugada, causando revolta e ódio em alguns. O prefeito da decadente aldeia vizinha, bobo nem nada ofereceu uma troca entre seu burro “sortudo” e o galo. Motivados pela ideia de uma vida de ventura sem esforços eles votaram e decidiram pela troca.

No dia seguinte todos dormiram até tarde e nos demais dias a mesma coisa, a vida passou a ser dormir e fazer festas, ninguém mais trabalhava num horário certo, não produziam direito e aos poucos foram ficando reféns dos moradores vizinhos que iam lá oferecer serviço.

Quando a população se deu conta, a cidade estava acabada. Um grupo decidiu ir buscar o galo, mas ele já não estava disposto a voltar, lá ele era bem tratado, amado, respeitado e valorizado como um rei.

Assim o grupo retornou e logo procurou por seu prefeito que estava de partida da aldeia. Na estação de trem lhe entregaram uma caixa de papelão com furinhos e quando ele abriu deu de cara com um galinho. Com o olhar enternecido o prefeito disse: óh, ele tem os olhos do pai!

Um ano se passou, o pequenino galo cresceu cercado de carinho e religiosamente cantava às quatro horas da manhã. A população aprendeu a acordar cedo, trabalhar, festejar, viver com alegria e a cidade voltou a prosperar.

Esse filme é uma animação. Foi dirigido por Pierre Greco, recebeu o prêmio Golden Butterfly for Best Animated Feature Film – International Competition e ele ensina a importância de se ter disciplina, organização e respeito para podermos aproveitar de um tudo e a mensagem mais importante que ficou pra mim foi que tudo depende de como vemos o galo e prefiro ver o meu como algo positivo em minha vida.

(Roberta Dias)

julho 5 2009

Casa de Boneca

Casa de Boneca feita por Roberta Dias

A casinha é composta de sala, quarto, cozinha, banheiro, área de serviço com tanque, varal para roupas e um pequeno jardim na frente e na lateral.

Foi toda feita em papelão e para construir os móveis e demais objetos da casa utilizei isopor, tampas de refrigerante, caixinhas de remédio vazias, enfeitinhos, flores artificiais, palito de pirulito, papel higiênico, plástico transparente liso, plástico tipo rendado, cortiça, guardanapos decorados, papel crepom dourado, tecido, miçangas, espelho, arame fino e muito mais.

No processo de montagem usei durex, papel toalha, cola branca, cola quente, tinta para artesanato à base de água e verniz geral para dar o acabamento.

Como foi a minha primeira casinha, fiz bem devagar, com calma, curtindo cada detalhe e depois de pronta dei de presente para a minha afilhada.

Foi uma distração e tanto. Recomendo!

(Roberta Dias)