dezembro 20 2010

Respirando Livremente

Antes do amanhecer,
Tudo andava tão escuro,
Mas assim que os olhos se abriram,
O brilho do sol, lindo e divino,

Inundou o peito de esperança,
Reabasteceu o tanque seco,
Com sorrisos e sentimentos alegres,
Energias boas e leves,

Que gostosura!
Adeus pesadelos,
Adeus noites de insônia,

Que delícia dormir a noite inteira!
Sonhar e não se lembrar de nada ao acordar,
Manter o coração aberto,

Não se pode mudar o que passou,
Mas é possível reescrever um novo final,
Amando cada vez mais sem restrições e sem mágoas…

(Roberta Dias)

outubro 23 2010

Diários do Vampiro – A Fúria – L. J. Smith

O que antes parecia mais apropriado para adolescentes em "O Despertar" e em "O Confronto", agora se apresenta de uma forma mais séria, sangrenta e com personagens mais maduros.

O dia não estava nada bom para Elena. Após discutir com sua tia, ignorou os avisos de Bonnie, pegou o carro de Matt e seguiu rumo ao pensionato para esperar por Stefan, mas Elena não contava que seria perseguida pelo "Outro Poder". Após seu carro cair da ponte, Elena sentiu a água invadir seus pulmões, o desespero, a dor e por fim, veio o alívio.

Desesperado, Stefan carregou o corpo mole e pálido de Elena, deixando-o embaixo de um salgueiro, se alimentou de sangue humano e partiu em busca de Damon.

A luta entre os irmãos corria solta, quando Elena, sonolenta, ouviu as vozes altas e sentiu a urgência deles. Ao encontrá-los, Stefan quase não podia crer no que estava vendo, pois além de transformada em vampira, sua amada estava ao lado de Damon e contra ele. Ferido, derrotado e amargurado, Stefan decidiu enfrentar sua dor e permanecer em Fell's Church.

Após se libertar das influências hipnóticas de Damon, Elena recordou do que fizera a Stefan e temeu não ser perdoada por ele. Sua mente e seus sentimentos estavam confusos entre Stefan e Damon. Um significava o amor calmo e disciplinado, o outro a liberdade de seguir sem culpa os instintos.

Ainda escondida no sótão da casa de seu antigo professor, Elena ouviu uma conversa estranha entre Alaric e o Sr. Newcastle. Cansada de ficar escondida, resolveu dar uma volta pela cidade, quando notou o movimento intenso na igreja e ao entrar, deu de cara com seu próprio velório.

Elena ficou surpresa com as homenagens. Naquele momento, apesar da dor, enquanto assistia ao seu velório e via a vida que jamais voltaria a ter, pela primeira vez não pensou apenas em si mesma e junto com Stefan, Damon e seus amigos, passam a investigar os mais suspeitos da cidade, pois precisam descobrir e combater o "Outro Poder".

Seguem as investigações. Alaric de suspeito passa a aliado. O dom paranormal de Bonnie leva o grupo ao local do combate final e Elena finalmente desvenda o mistério "Coruja branca... Ave de rapina... Caçador... Tigre... Um gato... Uma gatinha branca... Amor envenenado..." e num sussurro ela diz: Katherine!

julho 3 2009

Divã – Martha Medeiros

Diva - Martha Medeiros

O livro conta à história de uma mulher com seus quarenta e poucos anos, casada e com três filhos.

Mercedes decide fazer análise e durante as freqüentes sessões com Lopes, ela narra toda a sua
vida desde a infância.

Seguiu todas as fases, brincou de boneca, teve medo do escuro, ficou nervosa com o seu primeiro beijo, bateu a cabeça no teto do carro enquanto trocava uns "amassos", mas suas idéias estão longe de ser cor-de-rosa e isso a difere das demais mulheres.

Forte, prática, decidida, fogosa, engraçada, teimosa e autoritária, Mercedes não considera-se vítima de ninguém, sabe que é várias mulheres em uma só e precisa se autoconhecer.

Na verdade, Mercedes pode ser comparada a um vulcão adormecido, que está pronto para explodir a qualquer momento e essa explosão surge da necessidade de quebrar seus próprios tabus, cometer loucuras, porque como ela mesma disse: "Se ser feliz para sempre é aceitar com resignação católica o pão nosso de cada dia e sentir-se imune a todas as tentações, então é deste paraíso que quero fugir".

Com o decorrer das sessões de análise, Mercedes descobre-se falível. Segundo ela, a sua cabeça é como um guarda que não permite que ela estacione em lugar algum. Ela fica dando voltas em seu cérebro e quando encontra uma vaga para ocupar, o guarda diz: circulando, circulando.

Dei boas risadas lendo esse livro e separei mais alguns trechos interessantes:

"Eu não tenho medo de perder o senso. Eu tenho medo é desta eterna vigilância interior, tenho medo do que me impede de falhar".

"Não me sinto disputando ninguém, não me sinto insegura, confio mais na paz que ele me dá doque numa imaginação que só quer me infernizar".

"Suporto tudo nessa vida, menos as fases transitórias, aquelas onde já abandonamos o lugar em que estávamos mas ainda não chegamos onde queremos".

"Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos".

"A liberdade é atraente quando existe como promessa, mas enlouquece quando se cumpre".

"Não gosto de nada que é raso, de água pela canela. Ou mergulho até encontrar o reino de Atlântida, ou fico à margem, espiando de fora".

"Não gosto da vida em banho-maria, gosto de fogo, pimenta, alho, ervas..."

"Sabemos quem somos e o que sentimos, mas não sabemos até quando".

É isso, Mercedes mergulhou fundo em si mesma, respondeu sim, não, e agüentou as conseqüências.

(Roberta Dias)