julho 14 2016

Terra de Aprendiz

Fala-se em amor, paz, luz,
Amizade, caridade, salvação,
Toda glória, toda dor,
De uma vida passageira (eterna),

Numa Terra de expiações,
Escola Universal,
De irmãos de todas as partes,
Unidos em sintonias mil,

Agarrando-se à esperança,
Para suplantar os medos,
E seguir a diante,

Sem voltar a um estado anterior,
Do que foi conquistado, aprendido,
Ao que chamam Evolução.

(Roberta Dias)

outubro 24 2013

Diante dos pais

É espantoso observar a desenvoltura e inteligência das crianças nos dias de hoje. No meu tempo de menina, talvez por conviver mais com adultos, amadureci cedo, principalmente através do amor, auxílio, orientação e vigilância constante dos meus pais.

Meu pai costumava repetir muitas vezes: filha, jamais se misture com pessoas de nível econômico, social e cultural muito abaixo do seu, porque a grande maioria delas vai tentar arrastá-la para a mesma condição em que vivem, e como os filhos são moldados de acordo com os exemplos de seus pais, assim como do universo a sua volta, cresci seguindo a orientação de meu pai.

Já a minha mãe, muito diferente dele me ensinou que somos todos irmãos e filhos de Deus independente de classe social, religiosa, financeira ou cultural.

Quantas vezes ela tirou de si mesma para doar aos mais necessitados? Jamais sentiu pena ou se arrependeu de seus atos. Íntegra, fiel ao seu marido e mãe dedicada, sempre esbanjando simplicidade, elegância, alegria e fé, por mais difíceis que as coisas estivessem.

É lógico que sinto saudades de sua presença carnal, mas em mim ela permanece mais viva do que nunca e vai sempre ser insubstituível.

O que me surpreende hoje é ver meu pai descendo os degraus, se deixando arrastar para baixo e fazendo exatamente o oposto do que me ensinou a vida inteira, o que não faz muito sentido para mim já que com quase 72 anos de idade sua bagagem e experiência de vida teoricamente deveria ser ainda maior.

Tenho ciência de que não devo e nem posso escolher por ele, afinal ele é dono de suas escolhas e é ele mesmo quem irá responder por cada uma delas. A mim cabe apenas pedir a Deus que olhe por ele e respeitar seu livre arbítrio, e da mesma forma ele deve respeitar o meu em não querer compactuar com o que discordo. O máximo que posso fazer é continuar rezando a cartilha de minha amada mãe, onde aprendi a ser e agir como gente, sempre educada, propiciando um convívio pelo menos respeitoso, isto porque amo verdadeiramente o pai que Deus me presenteou ao vir ao mundo, que preencheu e zelou completamente por seu papel, jamais deixando em mim nenhum tipo de vazio, por isso disse e repito: meus pais são aqueles que me criaram e me deram amor. Aos biológicos que me geraram deixo meu respeito, mas não era para eu crescer em meio deles e a Deus meu eterno agradecimento por dar minha tutela a um pai e a uma mãe tão especiais.

Pai divergimos em nossa forma de pensar, ver e viver a vida, mas jamais se esqueça, depois de DEUS e de teus pais, ninguém irá amá-lo e querer o teu bem mais do que a Paula e a Roberta.

(Roberta Dias)

dezembro 22 2010

Dia especial

Não sei o que está reservado para mim hoje, mas antes de qualquer coisa agradeço por cada dia de vida e em oração eu te peço Senhor, Deus do Amor, ensina-me a amar mesmo que…

Meus olhos se fechem,
Meus ouvidos se ensurdeçam,
Minha boca silencie,
Meus braços e pernas se cansem,
O mundo me apresente outros valores,
Os meus irmãos me traiam,
A esperança se vá,
Nos momentos sem fé,
Ensina-me a amar.
Eu quero amar Senhor,
Primeiro a Vós e depois aos meus irmãos.
Quero amar a mim mesma, sem egoísmos, mas como templo do Vosso Santo Espírito.
Amém.

(Livro Ágape – Padre Marcelo Rossi)

novembro 2 2010

Diários do Vampiro – Reunião Sombria – L. J. Smith

Em “A Fúria”, Elena descobriu que Katherine era o “Outro Poder”, que forjara a própria morte, deixando no local onde os amantes encontraram suas cinzas, apenas o anel de pedra azul que permitia que ela ficasse exposta ao sol e uma carta, onde ela pedia aos irmãos, que por amor a ela, se tornassem amigos e curtissem a imortalidade, mas como eles não foram capazes de atender ao seu último pedido, decidiu se vingar.

Katherine partiu rumo a Fell’s Church e induziu seus ex amantes a irem para lá, acreditando que eles sofreriam e sentiriam remorso com a extrema semelhança entre Elena e ela. Assim se infiltrou na casa de Elena, como uma gatinha branca de estimação e assumia diversas formas para controlar os passos de todos. Ela ficou irada por Stefan ter se apaixonado por Elena, tê-la pedido em casamento, dando a ela o anel que era seu e por Damon disputá-la com o irmão, além do fato de terem se unido a pedido de Elena para lutar contra o “Outro Poder”.

Diante de sua vaidade ferida, conseguiu atraí-los para a sua armadilha através da paranormalidade de Bonnie. Amarrados, feridos e desprovidos dos seus anéis, Stefan, Elena e Damon, morreriam queimados se expostos ao sol, então Elena partiu para o combate, eliminando Katherine e sacrificando a própria vida.

“Reunião Sombria” começa agora. Já se passaram seis meses desde que Elena faleceu. Bonnie se comunica com ela através de sonhos, acredita, sente a presença da amiga, mas não compreende com clareza os recados que ela tenta transmitir com tanta urgência.

Caroline, com a ajuda de Bonnie prepara uma festa surpresa de aniversário para Meredith. A meia noite, as meninas já deitadas no quarto de Caroline, começam a lembrar de Elena e Bonnie comenta sobre os sonhos que teve. Pronto! A partir daí surge à idéia de tentar conversar com o espírito de Elena.

Ok, quem nunca brincou de algo parecido? Tipo um tabuleiro, letrinhas em pedaços de papel, um copo emborcado, uma velinha acesa, os participantes sentados formando um círculo em torno do tabuleiro, um participante com o dedo sobre o copo (teoricamente sem encostar o dedo) e fazendo perguntas como tem alguém aí? O que você quer? Está aqui para o bem ou para o mal? Enfim, quando moleca eu bem que tentei brincar, mas quando achei ter visto o copo mexendo, meti o pé, saí correndo apavorada e nunca mais quis saber disso e hoje dou boas risadas quando lembro, mas voltando ao livro…

Caroline manda Vickie ir buscar sua tábua Ouija na última prateleira do armário no corredor, quando, de repente, escutam os gritos de Vickie. Elas correm para ver o que aconteceu e a jovem alega que algo de dentro do armário segurou sua mão. Olharam daqui, dalí e como não viram nada desceram para fazer a brincadeira na sala. Elena começou a se comunicar com elas e dizia para que elas saíssem o mais rápido possível de lá, porque estavam correndo perigo e que “ele” era muito mau. A noite terminou com a morte de Sue e Vickie em estado de choque, dizendo que seria a próxima e que todas iriam morrer.

Após analisarem as mensagens de Elena, Bonnie faz um feitiço de invocação e Stefan surge novamente com Damon. Juntos Stefan, Damon, Matt, Bonnie e Meredith, atendendo ao pedido do espírito de Elena, partem em busca desse novo ser maligno (Klaus) que ronda Fell’s Church e leva perigo aos moradores.

A série Diários do Vampiro teve início com “O Despertar”, em seguida veio “O Confronto”, “A Fúria” e aparentemente termina com “Reunião Sombria”, que me surpreendeu e agradou muito por conta do suspense e do terror. Mas por que digo aparentemente? Digo isso porque no final Damon simplesmente deu as costas e sumiu na escuridão, o clima de romance entre Bonnie e Matt ficou no ar e o mesmo aconteceu com o relacionamento entre Alaric e Meredith, que ficou de responder sobre o futuro deles após completar seus dezoito anos, sem falar em Stefan e Elena, ela ressuscitou, conquistou uma nova chance, mas “nós” leitores ficamos sem saber como será daqui para frente, como assim ela morre e depois surge novamente do nada? E os detalhes “sórdidos” desse amor tão fervoroso dos dois… rsrsrs… Ahhh… Assim não vale!…rsrsrs

(Roberta Dias)

outubro 23 2010

Diários do Vampiro – A Fúria – L. J. Smith

O que antes parecia mais apropriado para adolescentes em “O Despertar” e em “O Confronto”, agora se apresenta de uma forma mais séria, sangrenta e com personagens mais maduros.

O dia não estava nada bom para Elena. Após discutir com sua tia, ignorou os avisos de Bonnie, pegou o carro de Matt e seguiu rumo ao pensionato para esperar por Stefan, mas Elena não contava que seria perseguida pelo “Outro Poder”. Após seu carro cair da ponte, Elena sentiu a água invadir seus pulmões, o desespero, a dor e por fim, veio o alívio.

Desesperado, Stefan carregou o corpo mole e pálido de Elena, deixando-o embaixo de um salgueiro, se alimentou de sangue humano e partiu em busca de Damon.

A luta entre os irmãos corria solta, quando Elena, sonolenta, ouviu as vozes altas e sentiu a urgência deles. Ao encontrá-los, Stefan quase não podia crer no que estava vendo, pois além de transformada em vampira, sua amada estava ao lado de Damon e contra ele. Ferido, derrotado e amargurado, Stefan decidiu enfrentar sua dor e permanecer em Fell’s Church.

Após se libertar das influências hipnóticas de Damon, Elena recordou do que fizera a Stefan e temeu não ser perdoada por ele. Sua mente e seus sentimentos estavam confusos entre Stefan e Damon. Um significava o amor calmo e disciplinado, o outro a liberdade de seguir sem culpa os instintos.

Ainda escondida no sótão da casa de seu antigo professor, Elena ouviu uma conversa estranha entre Alaric e o Sr. Newcastle. Cansada de ficar escondida, resolveu dar uma volta pela cidade, quando notou o movimento intenso na igreja e ao entrar, deu de cara com seu próprio velório.

Elena ficou surpresa com as homenagens. Naquele momento, apesar da dor, enquanto assistia ao seu velório e via a vida que jamais voltaria a ter, pela primeira vez não pensou apenas em si mesma e junto com Stefan, Damon e seus amigos, passam a investigar os mais suspeitos da cidade, pois precisam descobrir e combater o “Outro Poder”.

Seguem as investigações. Alaric de suspeito passa a aliado. O dom paranormal de Bonnie leva o grupo ao local do combate final e Elena finalmente desvenda o mistério “Coruja branca… Ave de rapina… Caçador… Tigre… Um gato… Uma gatinha branca… Amor envenenado…” e num sussurro ela diz: Katherine!