setembro 6 2011

A Manhã Perfeita – Gordon Banks

Acordei e olhei ao redor. O despertador ainda não tinha tocado; estava com meia hora de antecedência naquele dia. Eu queria chegar cedo ao trabalho para impressionar o chefe, afinal era o novo gerente de vendas da empresa. Batalhei durante meses com uma concorrência muito pesada pela promoção, mas havia uma semana o patrão finalmente reconhecera meus esforços e agora eu teria uma sala espaçosa no nono andar.

Levantei e abri a janela com entusiasmo. Fazia um dia lindo lá fora, uma manhã perfeita. Fiz a barba com calma, depois tomei um banho quente de dez minutos; o vapor encheu o banheiro e aquilo me acalmou. Fui para a cozinha e abri a geladeira; os restos da pizza da noite anterior estavam lá, atum e portuguesa, e pareciam convidativos. Resolvi comê-los e aí juntei ao menu mais duas bananas e um iogurte de mel. Terminei o café com um copo de suco de laranja que eu tinha preparado minutos antes de me sentar à mesa.

Coloquei minha camisa amarelo-canário, o dia pedia. Vesti o terno azul-escuro que combinava com a camisa e a gravata vermelha que combinava com o terno. Ia também estrear meus sapatos pretos novos. Um gerente nacional de vendas de aparência impecável. Prendi um guardanapo no colarinho enquanto escovava os dentes e, depois de jogá-lo fora, penteei o cabelo.

— Você está ótimo! — sorri e dei uma piscadela espirituosa para o cara do espelho.

Saí de casa e o dia estava maravilhoso, um céu azul e o sol brilhando, mas sem queimar a gente. Uma manhã perfeita. Era uma caminhada de cinco minutos até o metrô. Inspirei aquele ar fresco de agosto, verifiquei se não estava esquecendo nada, chaves, carteira, maleta, e então parti.

Eu era fã daquele tempo agradável. Logo antes de a primavera realmente começar, a mulherada geralmente usava pouca roupa na rua e eu estava estranhamente propício a passar cantadas naquela manhã. Estava me sentindo ótimo, tudo na minha vida ia bem naquele ano, saúde, família, amigos. A única coisa da qual eu sentia falta era uma companheira para compartilhar minha vida maravilhosa. Mas se dependesse de mim, esse problema logo estaria resolvido.

Entrei na estação do metrô e evitei as escadas rolantes. Sempre achei coisa de preguiçoso. Segui descendo pela escada fixa comum. Paralelo a mim estava a escada rolante que subia e uma pequena multidão de trabalhadores apressados.

Foi então que vi subindo pelas escadas rolantes, espremida no meio da multidão, a mulher mais linda na qual já colocara os olhos. Uma morena lindíssima de olhos cor de mel; usava um vestidinho social cor de grafite e uma bolsa que combinava com os sapatos pretos. Não consegui tirar os olhos dela e minha alegria foi indescritível quando percebi que ela também estava me encarando esfomeadamente, com um sorrisinho discreto no canto da boca. Eu tinha me barbeado e estava com meu terno azul-fatal. Estou irresistível, pensei.
Quando finalmente passamos um do lado do outro, arrisquei um sonoro oi que ela respondeu, muito simpática. Ainda descendo as escadas, virei a cabeça para continuar a vê-la e dizer mais alguma coisa. Foi quando ouvi um estalo logo abaixo de mim. Uma dor aguda e urgente me subiu pela perna e foi aí que me dei conta do meu tornozelo quebrado.

Tropecei e comecei a rolar pelas escadas. Devo ter ouvido mais uns dois estalos que indicavam que mais alguma coisa tinha se partido dentro de mim. A escada era longa e tive muito tempo para me machucar. Dava para sentir o peso do sangue escorrendo no interior do meu peito, de uma forma que ele obviamente não deveria estar. Nos últimos degraus da escada, meu cotovelo bateu no chão e virou meu corpo de frente ainda rolando. Dei uma cambalhota desajeitada que me lançou um metro no ar; aterrissei em cima da minha cabeça. Tentei gritar quando senti meu pescoço quebrando, mas meu corpo já não respondia.

Caí no átrio estirado, paralisado. A morena estava no alto da escada olhando horrorizada, algumas pessoas se aproximaram de mim. Ficou frio de repente, eu não sentia meu corpo direito, era uma sensação estranha. Meus olhos estavam abertos, mas não conseguia movê-los.

Não havia mais dor; percebi que não estava respirando e me desesperei ainda mais quando não houve nenhum reflexo do corpo pedindo por ar. Logo tudo começou a escurecer e senti que era o fim. Meu corpo estava se desligando, eu ia morrer.

Eu morri naquela manhã perfeita.

Uau! Que conto é esse? O homem se esforçou tanto para atingir seu objetivo e nem chegou a ocupar sua tão espaçosa sala no nono andar. Parece trágico e triste não é mesmo? Mas acontece! Coitado, morreu sem sua desejada e idealizada companheira para sua vida dita como tão perfeita.

(Roberta Dias)

dezembro 29 2010

Apenas Casas…

Apenas casas

Fiz este desenho apenas em grafite 8B, porque ele é macio, escuro e gosto muito disso, faz parte do meu estilo. Mesmo não tendo estudado perspectiva ainda ouso tentar, o máximo que pode acontecer é não sair perfeito, algumas pessoas criticarem, outras gostarem, só não se esqueçam de uma coisa, é errando que se aprende e praticando.

(Roberta Dias)

dezembro 21 2010

Amigo Imaginário

O vejo todos os dias,
Lendo, escrevendo,
Ouvindo música, desenhando,
Dormindo, acordada,

Nas plantas, nos pássaros,
No céu negro, nos raios de sol,
Nas ondas do mar que vão e vem,
Arrebentando e formando brancas espumas,

Valas que arrastam sem piedade,
Tamanha é à força da correnteza,
Não… Não posso crer no que dizem,

Você não é um fantasma ou uma estátua fria e imóvel,
Há de existir algo em seu peito, martelando e pulsando,
A cada vez que ouve o meu chamado…

(Roberta Dias)

dezembro 20 2010

Respirando Livremente

Antes do amanhecer,
Tudo andava tão escuro,
Mas assim que os olhos se abriram,
O brilho do sol, lindo e divino,

Inundou o peito de esperança,
Reabasteceu o tanque seco,
Com sorrisos e sentimentos alegres,
Energias boas e leves,

Que gostosura!
Adeus pesadelos,
Adeus noites de insônia,

Que delícia dormir a noite inteira!
Sonhar e não se lembrar de nada ao acordar,
Manter o coração aberto,

Não se pode mudar o que passou,
Mas é possível reescrever um novo final,
Amando cada vez mais sem restrições e sem mágoas…

(Roberta Dias)

agosto 4 2010

O Efeito Sombra – Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson

O livro fala sobre o conflito entre quem somos e quem queremos ser, uma vez que a dualidade não só existe como faz parte de todos nós.

A vida e a morte, o bem e o mal, a esperança e a resignação, são exemplos dessa dualidade.

Se sabemos o que é ter coragem, é porque já experimentamos o medo, se reconhecemos a honestidade, é porque já encontramos a falsidade e, no entanto, a maioria de nós ignora ou nega a própria natureza dualista.

A idéia de que somos apenas de um jeito ou de outro limita nossas características. Hoje em dia muitos têm acesso à sabedoria, mas não encontra força, nem coragem para agir segundo suas intenções, continua a se expressar de maneira contrária aos próprios valores, a tudo aquilo em que acredita e isso ocorre justamente quando não fazemos um auto-exame de nossa vida, do nosso eu mais escuro e sombrio.

Desde cedo aprendemos a temer o lado escuro da vida, assim como o nosso. Toda vez que pensamos em algo que consideramos feio ou que temos um comportamento que julgamos ser errado, tentamos esconder para que não chegue aos olhos do mundo, fingimos que nada aconteceu porque simplesmente tememos o julgamento alheio e a possível vergonha.

Embora a norma seja ignorar ou reprimir o lado escuro do nosso eu, fugir dele vai apenas intensificar o seu poder, nos causando mais dor, sofrimento, tristeza e submissão, nos impedindo de expressar inteiramente o nosso eu, de falar nossa verdade e de viver uma vida autêntica. Quando aprendemos a extrair a sabedoria oculta e a aceitar todas as nossas versões, reconhecemos integralmente quem somos, nos libertamos de comportamentos que podem nos levar para baixo, impedimos que a escuridão nos controle, que tire nossas decisões conscientes, que nos incite de forma errada, que desperdice nossa energia vital em maus hábitos e comportamentos repetitivos.

O efeito sombra está em toda parte. Ele está nos aspectos da vida, no que lemos online, no que vemos nos noticiários da TV, em nossos amigos, familiares ou mesmo nos estranhos na rua. Talvez possamos reconhecê-lo de forma mais expressiva em nossos próprios pensamentos, comportamentos, e senti-lo nas interações que fazemos com os outros.

Na verdade, o oposto do que teremos é, de fato, o que acontece, em vez de vergonha, sentimos simpatia, em vez de constrangimento, ganhamos coragem, em vez de limitação, experimentamos a liberdade, pois a sombra mantida oculta torna-se uma caixa de Pandora repleta de segredos que tememos destruírem tudo o que amamos e gostamos, mas abrir a caixa significa descobrir que seu conteúdo pode alterar de forma positiva a nossa vida.

A empatia por nós mesmos, pelo poder escondido em nossa verdade permite que sejamos reais, nos dá a centelha de ignição para a partida rumo à plenitude, a paixão e a realização de nossos sonhos.

As idéias apresentadas levam ao autoconhecimento e a muitos questionamentos. Bom livro!