dezembro 6 2010

Ingratidão…

Não…
O cérebro rejeita essa palavra,
Faz o Homem esquecer em fração de segundos,
Todas as mãos que um dia lhe foram estendidas,

As ajudas que recebeu,
As oportunidades de se reorganizar,
Aprender a viver dentro de suas posses,
Se reerguer na vida,

E ao insistir nos mesmos erros,
Coloca a corda no pescoço, se amargura,
Transforma amor em falta de estímulo, revolta…

Assim age o cérebro Humano, imaturo,
Egoísta e ingrato, porque é mais fácil jogar a culpa no outro,
A repensar os próprios atos e rever seus conceitos.

(Roberta Dias)

agosto 20 2010

Letras da minha mente…

Em minha mente,
Letras leves e soltas flutuam,
Brincam, se estapeiam,
Se mostram, se escondem.

Circulam e circulam,
Se arriscam diariamente,
Nos labirintos perigosos do meu cérebro,
Na eletricidade descompensada dos meus neurônios.

Letras de mão,
Corridas, fluentes, firmes,
Em busca de alianças.

Minhas letras! Sozinhas nada dizem,
Juntas são traçadas com rapidez,
Com ou sem sentido, expressam o que penso e sinto.

(Roberta Dias)

julho 20 2010

Noite Eterna – Claudia Gray

Bianca vivia com os pais numa pequena cidadezinha de interior, dessas onde todos se conhecem e no auge dos seus dezesseis anos, a jovem era bela e tímida.

A mudança para Noite Eterna se deu um mês antes do início do ano letivo. Seus pais faziam parte do corpo docente e tentavam convencer a filha de que tudo daria certo, que ela iria aprender muito e fazer novos amigos, mas a timidez da menina tornava tudo muito mais difícil.

Noite Eterna é uma escola centenária, imponente, sombria como um castelo medieval, cercada por altas torres, gárgulas de pedra, repleta de mistérios, de regras e habitada por seres com décadas ou séculos de existência, apesar de uma aparência jovial.

Bianca detestava a idéia de estudar lá, passava o tempo explorando o lugar e no primeiro dia de aula decidiu fugir. Mesmo não tendo um bom plano, caminhou floresta adentro, aos poucos se afastava de Noite Eterna, quando se deu conta de que não estava sozinha. Ela correu o máximo que pode, até que alguém ou alguma coisa pulou sobre o seu corpo e a jogou no chão, e nesse momento Bianca conheceu Lucas.

Os jovens se sentiam a vontade um com o outro, a amizade foi se transformando em amor e o desejo de ambos era incontrolável. À medida que Lucas e Bianca trocavam beijos e carícias, ficavam cada vez mais ofegantes e de repente Bianca simplesmente o atacou. Lucas se rendeu e se deixou sugar até desmaiar.

Bianca pediu ajuda aos pais, eles cuidaram do ferimento no pescoço do rapaz, retiraram de sua memória o que havia acontecido e o namoro seguiu tranqüilo, mas não demorou muito até que Lucas descobrisse toda a verdade.

Aparentemente chocado e magoado, o jovem se ausentou da escola durante as férias de fim de ano. Bianca apesar de triste compreendia o rapaz e escreveu um e-mail revelando todos os seus segredos. Ela mal pode acreditar quando o viu chegar após as férias. Os dois encontraram um lugar onde pudessem conversar a sós e loucos de amor, Lucas novamente se rendeu a Bianca, sendo que agora por vontade própria.

No dia seguinte Lucas permaneceu em sua cama e sentia-se mal, estranho. Bianca foi escondida até seu quarto e constatou que o namorado adquirira parte de seus poderes.

Novamente Bianca recorreu aos seus pais e mais uma vez tudo foi relatado a Sra. Bethany. Diante de tal situação, a diretora decidiu que o rapaz deveria compreender melhor o que se passava com ele e forneceu livros sobre o assunto.

Lucas e Bianca estavam bem, cada vez mais juntos e apaixonados. Os pais da jovem aceitavam o namoro e recebiam com felicidade o namorado da filha em sua casa.

Certa noite chovia muito e todos se reuniram na casa dos pais de Bianca. Eles ouviam música, conversavam e brincavam, quando Bianca se lembrou de algo dito por Lucas no dia em que se conheceram. O jovem ficou tenso e imediatamente o clima ficou hostil. Os pais de Bianca e um dos convidados se entreolharam e partiram para a luta. Lucas conseguiu fugir até Riverton. Agora Bianca sabia que Lucas também escondia segredos. Ela conseguiu alcançá-lo antes dos outros e eles conversaram um pouco, porém não havia mais tempo e se ele não pegasse logo o ônibus para Boston estaria perdido.

Bianca decidiu seguir viagem com ele para que pudessem conversar e se despedir direito. A noite se recolheu e deu início ao nascer do dia. Vampiros e membros da Cruz Negra estavam frente a frente prontos para duelar, mas Bianca corajosa e decidida disse adeus, evitando o confronto.

Mas por que a diretora Bethany misturou vampiros com humanos em Noite Eterna? Esta aí a pergunta que faz o cérebro de Bianca latejar...

maio 13 2010

Aura Negra – Richelle Mead

O livro é a continuação de "O beijo das sombras" e é repleto de suspense, aventura, luta, amizade, amor, desejo e paixão.

A rotina segue normalmente na Escola São Vladimir. Christian e Lissa estão cada vez mais próximos, eles se amam em pleno sótão da Igreja, enquanto Rose testemunha boa parte dessa intimidade, através do laço psíquico que mantem com Lissa.

Rose sabia que precisava sair o mais rápido possível da mente de Lissa, ela não queria presenciar e menos ainda sentir o que estava sendo vivido naquele sótão, através dos olhos e da mente de sua amiga.

Embora cobiçada por vários rapazes, Rose não conseguia fugir do que sentia por Dimitri. Sempre lhe vinha à mente os momentos que passou em seus braços. Não ter transado com ele era apenas um detalhe que não diminuía em nada a atração, a admiração e o amor que sentia por ele. Dimitri ainda era seu instrutor e apesar de sentir o mesmo por ela, procurava ser o mais profissional possível e sempre fugia de suas investidas.

Tudo parecia correr bem. Dimitri levou Rose para fora da escola para que ela realizasse um de seus testes de aprendiz de Guardião, mas quando chegaram ao local todos haviam sido assassinados, para o espanto de ambos.

Rumores de que os assassinatos haviam sido cometidos por um grupo grande e organizado de Strigois, auxiliados por humanos , chegaram rápido à escola, o que exigiu atitudes drásticas.

Guardiões de todos os lugares acompanhados por seus Morois se reuniram na escola, com o intuito de discutir novas estratégias de combate. Por conta disso Rose foi obrigada a rever sua mãe, uma grande e respeitada guardiã, que deixou de criá-la por conta de seu trabalho.

Lissa e Rose experimentaram novas experiências e conheceram Adrian, um vampiro com o mesmo tipo de magia de Lissa e enfim a jovem princesa vampira descobriu não ser a única no mundo a desenvolver tais poderes, mas a convivência com Adrian meteu as jovens em algumas confusões.

Diante da possibilidade de perder Dimitri para uma Moroi e de seu imenso ciúme, Rose cometeu diversos atos impensados, colocando seus amigos em risco quando revelou a localização dos Strigois e os mesmos decidiram agir por conta própria.

Rose precisava desesperadamente corrigir seu erro e com a ajuda de Christian conseguiu escapar das vistas dos Guardiões e ir atrás dos amigos.

Ao encontrá-los passaram por maus momentos nas mãos dos Strigois. Os jovens então tiveram que sair das teorias aprendidas na escola para a vida real e lutar para vencer ou morrer. Com a ajuda de Christian, Eddie, Mason e Mia, Rose enfrentou os Strigois na tentativa de salvar sua própria vida, assim com a vida de seus amigos. Todos eles já haviam fugido, quando Mason voltou para tentar ajudá-la e como era perdidamente apaixonado por Rose, não poderia deixá-la para trás, o que custou sua vida.

Após presenciar seu frio assassinato e com a ajuda da magia de Mia, Rose conseguiu forças para continuar lutando e decapitou dois Strigois.

No momento em os Guardiões chegaram ao local, Dimitri se comoveu com o estado de seu amor e temeu que ela não mais se recuperasse. Eles retornaram à Academia de Vampiros, Rose teve a chance de se entender com sua mãe, recebeu suas molnijas (tatuagens feitas na nuca dos Guardiões para cada Strigoi que eles exterminam) e após alguns dias retornou a sua rotina.

Ao reencontrar Dimitri, Rose ainda não tinha a certeza se ele continuaria como seu instrutor ou se seguiria com a Moroi Tasha. Tentando ser sensata, a jovem se despediu e deu as costas para ir embora, quando Dimitre abruptamente disse "NÃO", eu não vou ficar com Tasha.

Finalmente o casal se beijou. Um beijo do tipo que causa dormência no cérebro e como Dimitre disse a Rose que se 'veriam' mais tarde e que ainda tem muitas 'coisas' para lhe ensinar... Hummm... Acredito que é só esperar pela continuação...

julho 5 2009

Violetas na Janela – Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho

 

O livro conta à história de sua doce sobrinha Patrícia. Linda moça loura, de cabelos cacheados e compridos, olhos azuis feito pedaço do céu, pura, alegre, estudiosa e inteligente.

Com sua alma delicada e simplicidade, Patrícia encantara a todos e fez da Doutrina Espírita uma meta de vida, assim como seus pais.

Patrícia desencarnou aos 19 anos, após uma veia romper em seu cérebro. Seus pais embora sentissem a dor da saudade e da perda física de sua filha amada, não entregaram-se ao desespero e ao pensar e lembrar dela enchiam-se de carinho, ternura e resignação, emanando energias de verdadeiro amor e paz, fazendo com que a filha se sentisse protegida, amparada e apta a seguir em frente no plano espiritual.

A mãe de Patrícia cultivava lindas violetas que enfeitavam os vitrôs de sua casa e com a constante saudade vinda do amor não satisfeito pela ausência da filha querida, Anézia emanava seu amor, uma oferta contínua, fluídos que condensados, presenteavam Patrícia com maravilhosas violetas iguais as que sua doce mãe cultivava em casa.

Com tanto amor, Patrícia sentia-se fortalecida e contente. Segundo ela, “Amor de mãe é como um farol a iluminar seus entes queridos e a perfumar suas existências”.

Fiquei emocionada demais com as palavras escritas neste livro. Chorei muito e também sorri. Simplesmente lindo!

Como boas palavras sempre fazem bem, destaquei alguns trechos:

“A vontade está no desejo e devemos educar nossa vontade”.

“Devemos compreender sem ilusão o que realmente somos, e não o que pensamos ser”.

“Ninguém socorre um náufrago sem sofrer o chicote das ondas”.

“Pai, alimenta a minha vontade de aprender e de ser útil”.

Além de “Violetas na Janela”, três outros livros foram ditados por Patrícia: “Vivendo no mundo dos Espíritos”, “A casa do Escritor” e “O vôo da Gaivota”.

Esses três últimos ainda não li, mas quando meu coração for tocado e eu estiver pronta, nem antes e nem depois, vou ler e assim poderei escrever e contar algo sobre eles.

(Roberta Dias)