setembro 2 2017

Obesidade e Depressão – Parte 2

Cheguei ao hospital para a internação com frio na barriga. Após preencher tudo e esperar um pouco fui encaminhada para o quarto, onde aguardaria até que fossem me buscar.

Inicialmente minha cirurgia estava marcada para o dia 11 de julho, mas desmarcaram, daí ficou para o dia 17 de julho e novamente desmarcaram, ficando para o dia 21 e eu só dizia a mim mesma calma, as coisas não acontecem no seu tempo, mas no tempo de Deus.

Eu e meu esposo estávamos no quarto, e de repente ouvimos um alarme doido. Sai ele do quarto e volta dizendo ser o alarme de incêndio. Naquele instante disse: ah não! Fogo? Felizmente foi só um alarme falso, era um treinamento.

Não demorou muito e chegou o moço com a maca. Ele percorreu os corredores daquele hospital muito rápido e enquanto eu olhava as luzes do teto, era como se minha vida inteira passasse em flashes. Ele me deixou numa sala preparatória.

Lá me senti muito tranquila e quentinha, como quando minha mãe me abraçava. O anestesista veio me ver, me fez algumas perguntas e me deu um comprimido. Mais tarde meu cirurgião, Luiz Alfredo Vieira d’Almeida chegou para me levar ao centro cirúrgico, perguntou como eu estava e se eu realmente queria fazer a cirurgia. Com muita calma respondi sorridente que estava bem, feliz e que tinha certeza absoluta. Em tom brincalhão disse a ele: bora! Me preparei para isso.

Me prepararam, colocaram uma fumacinha para eu respirar e a última coisa que lembro foi o anestesista dizendo que eu sentiria sono e que o sono ia ficar mais forte. Quando acordei estava no quarto sendo passada da maca para a cama. Foi tudo muito rápido, mas senti dor até me acomodar direito.

Na sexta-feira à noite comecei a me alimentar. Sempre copinhos de 50ml a cada meia hora até a hora de dormir. No começo estranhei o adoçante, mas logo acostumei.

Mesmo de madrugada, de tempos em tempos vinha alguém para medir a temperatura, a pressão e a glicose, além de repor o soro e a medicação. Senti dor de cabeça e nas costas por ficar deitada de barriga para cima.

Foi estranho depender de outros para urinar naquela comadre, muito desagradável aquilo. No sábado pela manhã chegou a enfermeira para me ajudar a levantar pela primeira vez para que eu fosse ao banheiro, misericórdia, que dor alucinante que senti. Era como se estivessem puxando meus órgãos de baixo para cima.

Levantei a segunda vez sozinha com muito sacrifício. Outra enfermeira chegou e me ajudou com o banho. Depois veio a fisioterapeuta com o Respiron para que eu fizesse exercícios para o pulmão e me levou para caminhar pelos corredores.

Um dos médicos da equipe de meu cirurgião passou para me ver. Comentei da dor que sentia para levantar e ele explicou que injetam um gás durante a cirurgia e que o corpo só elimina aquele gás com a caminhada. Ave Maria, depois que ouvi aquilo levantei muitas vezes com dor e tudo para caminhar. Ele me deu alta no sábado à tarde.

A orientação que recebi foi: nada de ficar deitada, sentar com as pernas para o alto, fazer o exercício respiratório, caminhar de tempos em tempos, cumprir a dieta rigorosamente, a medicação macerada e beber água em pequenos goles sempre.

A noite senti uma dor terrível e no domingo à noite a mesma coisa. Eu repetia para mim mesma, calma garota, cada dia vai ser menos ruim que o outro. Tomei duas injeções para evitar trombose no hospital e 13 em casa.

No 15º dia retirei os pontos. Felizmente não tive nenhum problema. Após um mês tive que tomar uma injeção de vitamina B, meu Deus, aquela doeu e ainda tenho mais duas doses dessa miséria. Está certo, confesso, morro de medo de injeção e fico tensa, mas consegui.

Por 3 semanas minha dieta foi líquida, começou com copinho de 50ml, depois de 100ml a cada uma hora, na 4ª semana comida pastosa sem coar e agora comidinha normal dentro do que minha nutricionista liberou e já posso fazer pequenas caminhadas.

Às vezes quando esqueço e como um pouco mais depressa dá uma dor horrorosa no estômago, morro de medo de entupir, porque se acontecer vou ter que correr para o hospital para fazer endoscopia e empurrar. Também tenho pavor de ter dumping e ficar suando frio, enjoada como se fosse vomitar e até desmaiar, então obedeço às regras do jogo: dois anos sem ingerir açúcar, álcool e gordura. Outra coisa importante é que também não posso engravidar durante esse tempo.

Passando esses dois anos e o peso estando normal, sem engordar e sem emagrecer vem a próxima etapa que é a cirurgia reparadora e estou firme e forte.

Hoje me alimento a cada 3 horas. Não sinto fome e me sinto bem e mais feliz.

(Roberta Dias)

outubro 11 2013

Quebrando a Rotina

No dia 19 de setembro estávamos dentro da Kalunga quando o Big telefonou para o Márcio nos convidando pra ir à casa do primo deles Anderson. Engraçado foi ouvir o Marcio dizendo: e cara nem rola! E o Big perguntando: como está a serotonina da Beta?

O Márcio estava crente que eu daria para tras mas se deu mal. Saimos do shopping, passamos em casa, tacamos algumas coisas numa mala média para os dois e nos mandamos para pegar o Big.

Graças a Deus a ida foi tranquila. Talvez surja alguma multa indesejada por conta das distrações do Márcio, mas valeu à pena. Conversamos, rimos, ouvimos música, eles falaram sobre a banda (Profusão Sonora) pra não perder o costume (risos), até que chegamos.

Recepção melhor impossível por parte do Anderson de da “ricota”, uma boxer branquinha linda, festeira, carinhosa e obediente, que nos cheirou, lambeu, nos empurrou porque ela é forte e além de tudo é engraçada.

Márcio morre de medo de cães, eu ria só de olhar a cara dele e imaginar ele pensando: não posso demonstrar medo, não posso!
Pois a ricota só queria mesmo era brincar e a cada pulo que dava em cima dele era uma comédia, só pra vocês terem uma ideia ele, Big e ricota estavam na sala assistindo o Rock in Rio. Anderson no quarto dele dormindo, eu dormindo no quarto de hóspedes e Big e Márcio vendo os shows, Márcio sentado no chão próximo ao sofá em que a doce ricota tirava sua soneca.

E a música rolando… de repente Márcio só sente a pata da ricota dando umas pancadas na cabeça dele, que vira pro Big e diz: ô Felipe, ela ta me dando umas mocas. Big responde: que nada ta sonhando. O show continua, ricota segue em seu soninho tranquilo e Big adormece. Não sei que música tocou que tanto a ricota quanto o Big acordaram, sendo que a ricota chacoalhou a cabeça e na mesma hora diz Márcio: ouuuu vai babar na minha cabeçaaaa!

A ricota é simplesmente encantadora! A danadinha tem mais educação do que muita gente, é esperta. Ela foi lamber o Márcio e ele disse: nãoooo! Vai lamber o Felipe! E não é que ela foi… gargalhadas³

Fomos a um barzinho tranquilo com música ao vivo mas não demoramos.

Na manhã seguinte metemos o pé na estrada e fomos à Itatiaia, Penedo e em Visconde de Mauá. O mundo é mesmo pequeno pra caramba, eu lá nos confins do mundo, admirando a cachoeira e encontro minha vizinha de porta do ex condomínio de que morava. Então lembrem-se: nunca fiquem falando mal dos outros pela rua porque a pessoa pode estar do seu lado ouvindo tudo. Faça melhor, na falta de boas coisas para dizer sobre os outros mantenha-se calado.

Foi gratificante rever minha vizinha, nos abraçamos, conversamos um pouco e ela se foi. Na volta fomos parando aqui, ali e aproveitamos para almoçar.

O clima por lá é muito bom. Lojas de artesanato, fábrica de chocolate, restaurantes e o que considero a melhor parte que é ter contato com a natureza. Só não fiquei mais tempo porque estava preocupada com o meu peixinho em casa sem comida.

Segue abaixo algumas fotos.

Beijos,

(Roberta Dias)

 

dezembro 16 2010

Delírio

Outra noite inteira sem dormir,
Cabeça a ponto de explodir,
Olhos doloridos, em chamas,
Nenhuma leitura ou desenhos,

A inquietação afeta a saúde,
Míngua o corpo,
Cansa a mente,
Isso precisa passar…

De olhos fechados vejo casas diferentes,
Portas e janelas de madeira escura ou pintadas de branco,
Tão bonitas! Não existem muros na frente, somente grama verde…

E uma rua curta com leve curva,
Leva-me em direção ao que parece um posto,
Com tarja de cor vermelha e fontes brancas…

(Roberta Dias)

julho 11 2010

Sussurro – Becca Fitzpatrick

Os Anjos são seres espirituais que supomos habitarem o céu. Mas e quando um Anjo se deixa levar pelo desejo de ser um humano?

Segundo — 2 Pedro 2:4 “… Deus não perdoou aos Anjos que pecaram, mas os lançou ao inferno e os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo…”

Nora Grey é uma bela moça, mora com sua mãe em uma antiga casa de fazenda do século XVIII, cheia de correntes de ar e de neblina, afastada do centro de Coldwater, sua casa é a única residência em Hawthorne Lane.

Após o assassinato de seu pai, a jovem passou a sentir como se estivesse sendo observada e seguida. Ela passava a maior parte do tempo em companhia de Dorothea, empregada da casa, e de Vee, sua melhor amiga, já que sua mãe freqüentemente se ausentava por conta de seu trabalho.

Nora e Vee, além de amigas, eram responsáveis por uma coluna no eZine, sentavam juntas durante as aulas e costumavam trabalhar em parceria, até que o McConaughy, técnico do time da escola e professor de biologia, decidiu fazer uma mudança em todas as duplas.

Após a troca, McConaughy seguiu com a aula e a tarefa dos alunos era brincar de detetive. Portanto Nora e Patch deveriam descobrir o máximo que pudessem um do outro.

Curiosamente, Patch sabia muito sobre Nora, o que a deixou assustada e incomodada. A aula chegou ao fim e ela ainda não sabia quase nada sobre ele. Irritada e com receio de ficar sem nota, Nora foi falar com Patch, mas o rapaz apenas pegou sua mão e escreveu o número de seu telefone com uma caneta vermelha.

Nora, sentia que precisava se manter distante dele, mas toda vez que olhava para aquele moreno, de lindos olhos negros, que tudo absorviam e nada devolviam, de músculos longos e esguios nos braços, ombros largos, com um sorriso meio debochado e sedutor, adorava o que via. A atração era mútua entre eles e o clima de romance logo se estabeleceu.

À medida que o tempo passava, coisas estranhas aconteciam. Nora não sabia se os acontecimentos eram reais ou frutos de sua imaginação e estava cada vez mais apavorada. Em várias ocasiões perguntou a Patch sobre seus mistérios, porém o belo rapaz apenas dizia que ela ainda não estava pronta para saber a verdade, mas aos poucos ia lhe dando valiosas dicas.

Certa noite, ela teve a oportunidade de vê-lo sem camisa e em suas costas havia uma enorme cicatriz escura, grossa e em forma de “V” ao contrário. Lembrou do globo de vidro, das pinturas, das histórias sobre o Arcanjo caído e realizou algumas pesquisas no Google para entender melhor sobre o assunto.

Enquanto isso Nora continuava sendo seguida e vigiada nas ruas e em sua casa. Numa das tentativas de descobrir de quem se tratava, Vee acabou sendo atacada e ferida por ter sido confundida com a amiga. Posteriormente Nora negociou informações com uma mendiga de rua, dando-lhe seu casaco e gorro de cabeça. Ao se afastar da mulher ouviu alguns tiros, e quando se aproximou, viu que a mendiga havia sido assassinada.

Desesperada, Nora encontrou um orelhão e ligou para Patch. Assim que ele chegou, entraram no carro e seguiram viagem, mas não demorou muito até que o carro enguiçasse. Uma forte tempestade se aproximava, então se dirigiram para o lugar mais próximo onde poderiam se abrigar.

Chegaram ao motel completamente encharcados. O lugar estava às escuras por conta da tempestade e o quarto contava apenas com a pouca iluminação de duas velas. Nora tomou um banho e sem roupas secas vestiu a camisa menos ensopada de Patch, e ele, ficou apenas de calça, deixando seu torço nu e musculoso a mostra.

Eles se abraçaram e no instante em que se entrelaçaram os dedos de Nora tocaram sua cicatriz. O jovem ficou rijo, tenso, mas não se afastou. Imediatamente Nora entrou numa espécie de transe onde via e ouvia, mas sua presença não era notada. Descobriu que Patch era realmente um Anjo caído, cujas asas foram cortadas, seus poderes retirados e que seu objetivo era matá-la. Nesse exato momento, seus dedos se afastaram da cicatriz e o elo foi desfeito. Triste e com medo, Nora quis saber por que ele desejava acabar com sua vida e Patch revelou sua história.

Quando Anjo se apaixonara por uma humana e foi tomado imediatamente pelo desejo de possuí-la. Estava enlouquecido. Nada sabia sobre ela, mas faria qualquer coisa para poder se aproximar. Durante um tempo observou-a e pôs na cabeça que se descesse a Terra e possuísse o corpo de um humano, seria expulso do céu e se tornaria humano.

Acontece que Patch nada sabia sobre o Cheshvan, desceu em uma noite de agosto e ao retornar para o céu foi detido por uma hoste de Anjos vingadores que arrancaram suas asas e o jogaram para fora do céu. Naquele instante viu que algo não estava certo. Perdeu todos os seus poderes, se tornara uma criatura fraca, patética, não era humano, era apenas um decaído.

Em novembro de 1565, no Vale do Loire, na França, já ciente sobre o Cheshvan, obteve à força o juramento de Chauncey (filho de um Anjo caído com uma humana, pertencente à raça bíblica nefilim) prometendo serví-lo. A partir daí no início do mês hebreu do Cheshvan, durante as duas semanas entre a lua nova e a lua cheia, Patch poderia possuir e assumir o controle do corpo de Chauncey, que humilhado jurou vingança.

Patch até então acreditava ter passado por tudo aquilo por nada e durante um tempo se odiou por isso, mas não desistiu de se tornar humano, viu em Nora o meio de atingir seu objetivo. Somente quando se apaixonou por ela, se deu conta que se não tivesse caído não a teria conhecido.

Só que o mistério ainda não foi completamente esclarecido. Vee caíra nas garras de Elliot e Jules, e se Nora não fosse ao encontro deles sua amiga seria assassinada. Juntos, Patch e Nora partiram rumo ao desconhecido…

Caramba! Adorei o livro! No decorrer da história suspeitei de vários personagens e somente no final a verdadeira identidade do vilão foi revelada, para minha surpresa.