maio 2 2010

Distrai, meu coração, tua amargura…

Distrai, meu coração, tua amargura,
Os males que te assanha a fantasia:
Provém da formosura essa agonia?
Seja o seu lenitivo a formosura:

Por mil objetos adoçar procura
O ardor, que lavra em ti de dia em dia;
Mas ó fatal poder da simpatia!
Ó moléstia d’amor, que não tem cura!

Astúcia exercitar que te resista,
Minha Anália, meu bem, debalde intento,
Está segura em mim tua conquista.

Como hei de minorar-te o vencimento,
Coartar o império teu, se as mais à vista
Valem menos que tu no [email protected]

(Os Amores – Poemas Escolhidos – Bocage)

Comentários

Comentários


Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Copyright 2017. Todos os direitos reservados.

Publicado 05/02/2010 por Roberta na categoria "..:: Sonetos e Poesias ::..

2 COMMENTS :

  1. By MárcioRocha on

    “Quatro Mimos”
    Márcio Rocha Dias

    Na banca de saltérios, recordo a beleza de tua euforia.
    Tal como criança hipnotizada diante da gôndula de doces.
    Fico paralisado, querendo lhe presentear com tais escritos,
    Alguns me arrebatam e te compro quatro mimos.

    Valiosos, pois ainda que aprisionados na embalagem,
    Me animam quando me remetem ao teu sorriso.
    Longe de suprir o vazio causado pela distância,
    Mas laureantes, amigos e confortantes.

    As horas passam, vou a janela e olho o céu.
    Vejo a a lua que parece tão solitária quanto eu.
    E mesmo as estrelas que normalmente estão por perto,

    Hoje estão distantes, porém vivas e brilhantes.
    Esperando anciosas e pacientes,
    Pelo momento exato de brilharem juntas novamente.

    Reply
    1. By Roberta Dias (Post author) on

      Que lindo amore!!! Estou com tanta saudade de você!!! TE AMO!!! Montão, montão, demais da conta…

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.