agosto 17 2010

Ironia – Frases soltas que deveriam ser presas – José Francisco de Lara

É um livro fantástico, uma coletânea de máximas, frases e pensamentos, cujo objetivo é descontrair aos que levam o bom humor a sério.

Três pensamentos ajudam a compreender o verdadeiro espírito deste livro:

”A ironia é uma forma elegante de ser mau. – Berilo Neves”

“A originalidade é a marca do gênio. Mas para quem não pode almejar tanto, o cultivo do lugar comum bem aplicado, do provérbio usado em boa hora, também ajuda muito, e às vezes, até substitui o talento real. E, convém lembrar, o domínio do óbvio está ao alcance de qualquer um. – Millôr Fernandes”

“As melhores idéias são propriedades de todos. – Sêneca”

Segundo José Francisco de Lara, todos somos seres dotados de peculiaridades; temos virtudes, defeitos e algumas características bizarras que, feliz ou infelizmente, fazem parte de nosso ser. Se ele pudesse nos presentear, sem dúvida seria com a capacidade de aprender a rir de si mesmo, porque aquele que olha com bom humor para si próprio torna-se apto a encontrar graça até na própria desgraça e ele finaliza dizendo: “Ria, e o mundo rirá com você. Ronque, e dormirá sozinho”.

Poderia citar o livro inteiro, mas separei apenas três trechos:

“Quem tem imaginação, mas não tem cultura, possui asas, mas não possui pés. – Joseph Joubert”

“Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. – Sarah Westphal Batista da Silva”

“O homem que não aprende a viver enquanto trabalha para enriquecer-se será mais pobre, uma vez rico, do que o era anteriormente. – John G. Holland”

Ironia é um livro que vale a pena, porque além de fazer rir, também nos leva a refletir.

agosto 13 2010

O amor é para os fortes – Marcelo Cezar

Quem nunca ouviu falar da fulana, que ama cicrano, que ama beltrana, que ama o Zé da esquina, que ama fulana ou que não ama ninguém?

Os “desencontros”, assim como os ”encontros”, fazem parte da vida e do processo evolutivo. Quem, em algum momento da vida, já não deu asas a imaginação, sofreu, chorou, suspirou ou sentiu o corpo arder como se estivesse em chamas só por lembrar, pensar numa determinada pessoa? Quem nunca se apaixonou ou acreditou estar apaixonado por alguém? Quem nunca idealizou como deveria ser o par perfeito?

A idéia de perfeição, quase sempre presente dentro de nós, tanto pode impulsionar rumo ao progresso, como a derrota e ao sentimento de frustração, de infelicidade, porque torna o indivíduo exigente demais consigo mesmo e com os outros.

Quando a pessoa é exigente demais, corre o risco de não conseguir concluir as coisas que faz e de se sentir sempre infeliz, porque simplesmente nunca está satisfeita com nada e nem com ninguém.

O livro fala justamente sobre as ilusões que as pessoas criam e alimentam em suas mentes, em buscas incessantes pela “relação perfeita”.

Segundo o autor, não existe relação perfeita. O que existe é a “relação possível”, aquela em que a alma decifra os segredos do coração, através das experiências vividas, tornando o amor apenas para os fortes.

agosto 4 2010

O Efeito Sombra – Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson

O livro fala sobre o conflito entre quem somos e quem queremos ser, uma vez que a dualidade não só existe como faz parte de todos nós.

A vida e a morte, o bem e o mal, a esperança e a resignação, são exemplos dessa dualidade.

Se sabemos o que é ter coragem, é porque já experimentamos o medo, se reconhecemos a honestidade, é porque já encontramos a falsidade e, no entanto, a maioria de nós ignora ou nega a própria natureza dualista.

A idéia de que somos apenas de um jeito ou de outro limita nossas características. Hoje em dia muitos têm acesso à sabedoria, mas não encontra força, nem coragem para agir segundo suas intenções, continua a se expressar de maneira contrária aos próprios valores, a tudo aquilo em que acredita e isso ocorre justamente quando não fazemos um auto-exame de nossa vida, do nosso eu mais escuro e sombrio.

Desde cedo aprendemos a temer o lado escuro da vida, assim como o nosso. Toda vez que pensamos em algo que consideramos feio ou que temos um comportamento que julgamos ser errado, tentamos esconder para que não chegue aos olhos do mundo, fingimos que nada aconteceu porque simplesmente tememos o julgamento alheio e a possível vergonha.

Embora a norma seja ignorar ou reprimir o lado escuro do nosso eu, fugir dele vai apenas intensificar o seu poder, nos causando mais dor, sofrimento, tristeza e submissão, nos impedindo de expressar inteiramente o nosso eu, de falar nossa verdade e de viver uma vida autêntica. Quando aprendemos a extrair a sabedoria oculta e a aceitar todas as nossas versões, reconhecemos integralmente quem somos, nos libertamos de comportamentos que podem nos levar para baixo, impedimos que a escuridão nos controle, que tire nossas decisões conscientes, que nos incite de forma errada, que desperdice nossa energia vital em maus hábitos e comportamentos repetitivos.

O efeito sombra está em toda parte. Ele está nos aspectos da vida, no que lemos online, no que vemos nos noticiários da TV, em nossos amigos, familiares ou mesmo nos estranhos na rua. Talvez possamos reconhecê-lo de forma mais expressiva em nossos próprios pensamentos, comportamentos, e senti-lo nas interações que fazemos com os outros.

Na verdade, o oposto do que teremos é, de fato, o que acontece, em vez de vergonha, sentimos simpatia, em vez de constrangimento, ganhamos coragem, em vez de limitação, experimentamos a liberdade, pois a sombra mantida oculta torna-se uma caixa de Pandora repleta de segredos que tememos destruírem tudo o que amamos e gostamos, mas abrir a caixa significa descobrir que seu conteúdo pode alterar de forma positiva a nossa vida.

A empatia por nós mesmos, pelo poder escondido em nossa verdade permite que sejamos reais, nos dá a centelha de ignição para a partida rumo à plenitude, a paixão e a realização de nossos sonhos.

As idéias apresentadas levam ao autoconhecimento e a muitos questionamentos. Bom livro!

julho 27 2010

Tudo que eu queria te dizer – Martha Medeiros

É um livro composto por cartas cujos remetentes decidem falar de uma vez por todas, sem rodeios, sem medo e sem cerimônia, ao amigo distante, ao marido, ao ente querido que faleceu, ao desafeto de toda uma vida e até a si mesmo.

Separei um trecho de uma dessas cartas…

“Olá, coisa ruim, coisa péssima, o assunto é contigo — e comigo. Não dizem que a gente deve exorcizar os demônios? Não sei como se faz isso, então resolvi escrever, que é sempre um método. Você aí — na verdade, aqui: escondido em mim, calado, canastrão. No fundo você se diverte, adora me ver atrapalhada. “Hoje ela se entrega, hoje ela cai.” Não caí. Você vai me tentar até o final, mas não entro no seu esquema, não vou ceder.

Por que você não se instala em outro corpo, em outra mente, que tal vazar, me esvaziar, se escafeder? Eu já acreditei, um dia, que você era um inquilino necessário, o tal contraponto, um equilíbrio, algo que todo mundo traz dentro, alimenta e blábláblá. Mas estou cansada. Esgotada mesmo. Não consigo mais negociar com você. Esta é uma carta de demissão. Tô te demitindo, te expulsando, porque você é que tem que sair, eu não posso sair de mim mesma…”

Sorriso daqueles… gostei bastante do livro!

julho 20 2010

Noite Eterna – Claudia Gray

Bianca vivia com os pais numa pequena cidadezinha de interior, dessas onde todos se conhecem e no auge dos seus dezesseis anos, a jovem era bela e tímida.

A mudança para Noite Eterna se deu um mês antes do início do ano letivo. Seus pais faziam parte do corpo docente e tentavam convencer a filha de que tudo daria certo, que ela iria aprender muito e fazer novos amigos, mas a timidez da menina tornava tudo muito mais difícil.

Noite Eterna é uma escola centenária, imponente, sombria como um castelo medieval, cercada por altas torres, gárgulas de pedra, repleta de mistérios, de regras e habitada por seres com décadas ou séculos de existência, apesar de uma aparência jovial.

Bianca detestava a idéia de estudar lá, passava o tempo explorando o lugar e no primeiro dia de aula decidiu fugir. Mesmo não tendo um bom plano, caminhou floresta adentro, aos poucos se afastava de Noite Eterna, quando se deu conta de que não estava sozinha. Ela correu o máximo que pode, até que alguém ou alguma coisa pulou sobre o seu corpo e a jogou no chão, e nesse momento Bianca conheceu Lucas.

Os jovens se sentiam a vontade um com o outro, a amizade foi se transformando em amor e o desejo de ambos era incontrolável. À medida que Lucas e Bianca trocavam beijos e carícias, ficavam cada vez mais ofegantes e de repente Bianca simplesmente o atacou. Lucas se rendeu e se deixou sugar até desmaiar.

Bianca pediu ajuda aos pais, eles cuidaram do ferimento no pescoço do rapaz, retiraram de sua memória o que havia acontecido e o namoro seguiu tranqüilo, mas não demorou muito até que Lucas descobrisse toda a verdade.

Aparentemente chocado e magoado, o jovem se ausentou da escola durante as férias de fim de ano. Bianca apesar de triste compreendia o rapaz e escreveu um e-mail revelando todos os seus segredos. Ela mal pode acreditar quando o viu chegar após as férias. Os dois encontraram um lugar onde pudessem conversar a sós e loucos de amor, Lucas novamente se rendeu a Bianca, sendo que agora por vontade própria.

No dia seguinte Lucas permaneceu em sua cama e sentia-se mal, estranho. Bianca foi escondida até seu quarto e constatou que o namorado adquirira parte de seus poderes.

Novamente Bianca recorreu aos seus pais e mais uma vez tudo foi relatado a Sra. Bethany. Diante de tal situação, a diretora decidiu que o rapaz deveria compreender melhor o que se passava com ele e forneceu livros sobre o assunto.

Lucas e Bianca estavam bem, cada vez mais juntos e apaixonados. Os pais da jovem aceitavam o namoro e recebiam com felicidade o namorado da filha em sua casa.

Certa noite chovia muito e todos se reuniram na casa dos pais de Bianca. Eles ouviam música, conversavam e brincavam, quando Bianca se lembrou de algo dito por Lucas no dia em que se conheceram. O jovem ficou tenso e imediatamente o clima ficou hostil. Os pais de Bianca e um dos convidados se entreolharam e partiram para a luta. Lucas conseguiu fugir até Riverton. Agora Bianca sabia que Lucas também escondia segredos. Ela conseguiu alcançá-lo antes dos outros e eles conversaram um pouco, porém não havia mais tempo e se ele não pegasse logo o ônibus para Boston estaria perdido.

Bianca decidiu seguir viagem com ele para que pudessem conversar e se despedir direito. A noite se recolheu e deu início ao nascer do dia. Vampiros e membros da Cruz Negra estavam frente a frente prontos para duelar, mas Bianca corajosa e decidida disse adeus, evitando o confronto.

Mas por que a diretora Bethany misturou vampiros com humanos em Noite Eterna? Esta aí a pergunta que faz o cérebro de Bianca latejar…