julho 14 2016

Terra de Aprendiz

Fala-se em amor, paz, luz,
Amizade, caridade, salvação,
Toda glória, toda dor,
De uma vida passageira (eterna),

Numa Terra de expiações,
Escola Universal,
De irmãos de todas as partes,
Unidos em sintonias mil,

Agarrando-se à esperança,
Para suplantar os medos,
E seguir a diante,

Sem voltar a um estado anterior,
Do que foi conquistado, aprendido,
Ao que chamam Evolução.

(Roberta Dias)

julho 13 2016

Chá do Amor

É com assombro,
Que meus sentidos conhecem,
Veem, ouvem, percebem,
Entendem você,

E o que sinto,
Excede toda ponderação,
Ao olhar tamanha beleza,
Que cativa meu espírito,

Nesta agradável manhãzinha de julho,
Provando lentamente meu chá do amor,
Sabor pêssego, de forma voluptuosa,

E calculada enquanto conversamos,
Descontraidamente, sentados à mesa,
Durante nosso café da manhã.

(Roberta Dias)

junho 20 2014

Promessas

Só promessas de que tudo se resolverá,
Que todos chegarão a um acordo,
Quando na verdade tudo se acabou,
Um elo desfeito e, que pela misericórdia Divina,

Nunca mais tornará a ser feito,
Porque só pensas em si próprio,
Foi sempre assim, você e você,
Nós em segundo plano, o obstáculo,

Para a vida mundana que desejava ter,
Que ainda permanece sendo a sua escolha,
Ilusões passageiras, convenientes as tuas vontades,

Uma empregada, alguém para reclamar, brigar,
Humilhar e deixar aprisionada na solidão cada dia mais,
Até que finalmente veja seu último olhar e suspiro.

(Roberta Dias)

maio 29 2014

Fria madrugada

Cai a madrugada, um imenso frio,
Longas horas até amanhecer,
Que lugar é este? Como sair daqui?
Quem são essas pessoas?

Olham de forma tão estranha,
Dizem coisas sem sentido,
Amontoam-se umas sobre as outras,
Algumas parecem satisfeitas,

Outras gritam enlouquecidas,
Saem a vagar por todas as direções,
Grilhões pesados, resistentes,

Presos aos pés dificultam a caminhada,
Luzes surgem e desaparecem rapidamente,
E num piscar de olhos apenas escuridão.

(Roberta Dias)